Agronegócio teme que discurso ambiental de Bolsonaro afete exportação.

Share on whatsapp
Share on twitter
Share on facebook
Share on google
Share on linkedin
Share on email

Representantes do agronegócio estão preocupados que a retórica agressiva do presidente Jair Bolsonaro (PSL) sobre a Amazônia prejudique as exportações, especialmente para a Europa. Nas últimas semanas, Bolsonaro criou atritos com França, Alemanha e Noruega, questionando a legitimidade desses países em cobrar mais preservação das florestas brasileiras. Hoje, o presidente francês, Emmanuel Macron, disse que se opõe ao acordo entre o Mercosul e a União Europeia, diante da atitude de Bolsonaro em relação às queimadas.

Para o presidente da Abitrigo (que representa a indústria nacional de moagem de trigo), Rubens Barbosa, o governo precisa entender que a política ambiental passou a fazer parte da política comercial no mundo todo. “O desenvolvimento sustentável é um conceito que está aí para ficar.

Discursos vão contra objetivo do governo

Segundo Barbosa, os discursos de Bolsonaro estão indo contra o próprio objetivo do governo, que é aumentar o comércio exterior e facilitar exportações.

Barbosa, que foi embaixador em Washington entre 1999 e 2004 (posto mais cobiçado da diplomacia brasileira, hoje desejado por Eduardo Bolsonaro), defende que o Brasil intensifique o trabalho de “diplomacia ambiental”. A ideia, segundo ele, é mostrar ao mundo que os compromissos de preservação assumidos estão sendo cumpridos.

Nos últimos dias, outras vozes relevantes do agronegócio vieram a público para criticar a retórica do governo sobre meio ambiente. Em entrevistas ao “Valor Econômico”, Blairo Maggi (um dos maiores exportadores de soja) e Marcello Brito (presidente da Associação Brasileira do Agronegócio) afirmaram que a imagem de país desmatador põe em risco as negociações do setor.

Críticas “duríssimas” da Europa

O governador de São Paulo, João Doria (PSDB), disse que ouviu de investidores europeus “críticas duríssimas” em relação à política ambiental do Brasil. “Talvez mais à retórica do que à própria política”, afirmou.

Dados do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento apontam que a União Europeia foi o destino de 17,7% das exportações do agronegócio brasileiro em 2019 até julho –equivalente a US$ 1 bilhão.

Em junho, o governo brasileiro comemorou o acordo comercial entre o Mercosul e a União Europeia, fechado após 20 anos de negociações. Na época, Bolsonaro chamou o acordo de “histórico” e afirmou que ele traria “benefícios enormes para a nossa economia”. Agora, o acordo está em risco antes mesmo de chegar a ser implementado.

Saída de diretor do Inpe

Nas últimas semanas, Bolsonaro e o ministro Ricardo Salles (Meio Ambiente) intensificaram conflitos com figuras públicas nacionais e internacionais que criticaram a gestão ambiental do governo federal.

Agosto começou com a saída de Ricardo Galvão da direção do Inpe (Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais). O físico havia irritado o presidente por ter divulgado dados que apontam 278% de crescimento do desmatamento na Amazônia em julho, comparado com o mesmo período do ano passado. Ele deixou o cargo no último dia 2.

Matança de baleias na Noruega ou na Dinamarca?

O mês também ficou marcado pelos atritos com os governos de Alemanha e Noruega. A origem das discussões foi a decisão do Ministério do Meio Ambiente de reformular o Fundo Amazônia (reserva de capital estrangeiro destinada à preservação ambiental), usar parte do dinheiro para indenizar fazendeiros e aumentar o peso do governo no comitê que estabelece critérios para aplicação dos recursos.

Em razão disso, a Noruega, responsável por mais de 90% dos valores do Fundo, bloqueou aproximadamente R$ 130 milhões e anunciou a suspensão de novos repasses. Na sequência, Bolsonaro divulgou nas suas redes um suposto material sobre “matança das baleias patrocinada pela Noruega” (mas as imagens foram gravadas em território dinamarquês).

Refloreste a Alemanha com essa grana

A Alemanha também congelou cerca de R$ 150 milhões que seriam destinados à proteção ambiental no Brasil e declarou que reavalia repasses para o Fundo Amazônia. A resposta de Bolsonaro foi um recado direto à chanceler Alemã, Angela Merkel: “Pegue essa grana e refloreste a Alemanha, ok? Lá está precisando muito mais do que aqui”.

Antes disso, no final de julho, Bolsonaro havia cancelado em cima da hora uma reunião com o ministro de Relações Exteriores da França para tratar de assuntos ambientais. O Planalto alegou “uma questão de agenda do presidente”, mas, na mesma tarde, Bolsonaro gravou um vídeo enquanto cortava o cabelo.

Queimadas causadas por ONGs

Na quarta-feira (21), Salles discursou sob vaias em evento da ONU (Organização das Nações Unidas) sobre mudança do clima. Em sua fala, Salles negou que o ministério tenha se omitido no combate ao desmatamento da Amazônia. Nesta quinta (22), ele anunciou, em entrevista exclusiva do UOL, a intenção de criar uma força-tarefa na Amazônia com participação de ONGs, madeireiras e mineradoras, entre outros.

O ministro da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, declarou que o discurso de países europeus sobre o desmatamento na Amazônia é uma política para criar barreiras ao Brasil.

O presidente, por sua vez, tem insinuado que ONGs estão por trás de queimadas na Amazônia. “Pode estar havendo, não estou afirmando, a ação criminosa desses ‘ongueiros’ para chamar a atenção contra minha pessoa contra o governo do Brasil”, declarou, sem apresentar provas.

UOL

OUTRAS NOTÍCIAS