Carlos Lima
Hoje dia 19/07/2018 às 13:15:42

Agronegócio
Carlos Lima | Publicado em 30/04/2018 às 11:39:55

Arábia Saudita, maior comprador de aves do BR, endurece negociações e desalojamento cresce

Arábia Saudita, maior comprador de aves do BR, endurece negociações e desalojamento cresce Arábia Saudita, maior comprador de aves do BR, endurece negociações e desalojamento cresce

Assim que o caso BRF explodiu sob o nome de Operação Trapaça, vários importantes compradores de frango brasileiro solicitaram informações mais detalhadas do governo em relação à sanidade, como a reclamada pela União Europeia (UE). Agora que o bloco oficialmente barrou 20 plantas, já há sinais mais duros vindo dos países árabes, que, por sinal, estão chegando simultaneamente ao desajolamento de aves nos dois principais estados produtores, Santa Catarina e Paraná.

A Associação Catarinense de Avicultura (Acav) está monitorando a situação, tendo em vista que o estado exporta 46,2% do que produz, mas seu presidente está apreensivo porque os árabes insistem em usar a UE como espelho. “A Arábia Saudita é a que está mais reticente e isso é um problema maior ainda”, diz José Antônio Ribas.

Haveria, por assim dizer, um duplo “efeito cascata”. Ribas lembra que a Europa é formadora de opinião – mais ainda sobre o Oriente Médio – e a Arábia Saudita tem sua parte como referência junto aos demais países árabes. Além do que o reino é o maior importador de carne de aves do Brasil, com mais de US$ 1 bilhão em receitas em 2017, incluindo miúdos.

A continuidade da Operação Carne Fraca, com desculpa técnica (o argumento da salmonella animal, sem consequências para a saúde humana), também pode ser entendida como manobra para desocupar parte do mercado brasileiro não apenas na Europa, mas em quintais que no passado eram atendidos pelos produtores franceses, entre outros menores daquele continente. Mesmo que Europa não tenha capacidade para atender sua demanda sem a carne brasileira  – 147,8 mil toneladas, quase US$ 365 milhões em 2017 -, pelo menos em termos de custos, ainda assim o presidente da Acav vê interesse em fazer chegar o frango europeu entre os árabes.

A logística próxima do Oriente Médio torna o frango europeu, sem o brasileiro concorrendo, mais competitivo.

Desajolamento

No dia 20 de abril, Notícias Agrícolas ouviu de Fernando Cézar Ribeiro, presidente da Associação dos Avicultores Integrados, que já estava havendo espaçamento entre os ciclos de alojamentos nas granjas, o que se constitui o principal sinal de corte de produção. O presidente da Acav admite que a situação está se agravando.

Ainda não há estatísticas contabilizadas em Santa Catarina, segundo estado produtor, com 24%, mas José Antônio Ribas vê que “todos estão se mexendo para tirar alojamento e as férias coletivas devem aumentar”, seguindo o que a Aurora fez em antes mesmo de a UE oficializar o embargo.

Em ciclo de 44 dias, em média, mais o vazio sanitário de 12 dias, seja integrado grande ou pequeno a quantidade de alojamento chega a 6,5 por ano. Menos que isso, a viabilidade econômica se esgota e a maior parte dos produtores catarinenses, cerca de 60 mil famílias, que vinham com capacidade de 3 milhões de frangos/dia, vão sofrer –e sairão do mercado.

Do Paraná, hoje líder com 30% da produção nacional, as notícias para Ribas são as mesmas.

Giovanni Lorenzon

Comentários

comentários

Veja também