Carlos Lima
Hoje dia 03/04/2020 às 22:32:04

Agronegócio
Carlos Lima | Publicado em 12/03/2020 às 10:55:17

Brasil pode suprir apenas parte da demanda da Europa por alimentos, diz especialista

Brasil pode suprir apenas parte da demanda da Europa por alimentos, diz especialista Coronavírus: Brasil pode suprir apenas parte da demanda da Europa por alimentos, diz especialista © Folhapress / Yuri Barichivich

Aumentar a produção de alimentos não é simples como a industrial, por isso não é possível atender toda demanda de uma Europa em crise pelo novo coronavírus, disse o presidente da Associação de Comércio Exterior do Brasil.

Com a crise e a quarentena provocadas pelo surto do COVID-19, doença causada pelo vírus, os estoques de alimentos da Europa começam a diminuir, levantando a possibilidade do Brasil e demais países da América Latina suprirem essa necessidade.

Para o empresário José Augusto de Castro, presidente da AEB (Associação de Comércio Exterior do Brasil), o Brasil até pode atender em “parte” essa demanda, principalmente produtos como “carne de frango”, “soja”, “milho” e “café”, mas não dos casos em que não existe estoque suficiente para o mercado interno.

Castro explica ainda que aumentar a produção de alguns itens não é algo simples e pode levar tempo.

Produção de carne bovina leva anos

“Se houver demanda de um produto que não se tem hoje em estoque, caso da carne bovina, por exemplo, demora três anos pelo menos para conseguir um boi em idade de abate”, disse ele em entrevista para a Sputnik Brasil.

O presidente da AEB fez a comparação com a indústria, na qual é possível, por exemplo, aumentar a produtividade apenas trabalhando por mais horas.

“Não é como a indústria, que se for colocado um segundo e terceiro turno aumenta a produção. O que temos produzido hoje, no Brasil, pode atender parte da demanda da Europa, mas certamente não terá condições de atender a totalidade desse demanda”, disse Castro.

Em relação às proteínas, ele disse que se não é possível suprir a necessidade de carne bovina, no caso dos aviários é diferente, pois seria possível aumentar a produção em um período menor.

“No caso de carne de frango, é diferente, o ciclo de produção é de 48 dias, é possível”, afirmou o empresário.

Em relação aos suínos, Castro diz que a produção brasileira é relativamente pequena comparada com outras nações do mundo.

‘Brasil tem totais condições’

No caso de algumas commodities agrícolas, como “café, soja e milho”, o “Brasil tem condições totais”, pois é um “dos principais fabricantes desses produtos no mundo”, por isso é mais fácil atender as demandas interna e externa.

Castro disse ainda que o momento para os exportadores é “claramente favorável”, com o “câmbio num patamar alto e demanda do mercado internacional” – embora ele ache que o dólar não irá se manter tão valorizado e recuará.

No entanto, disse que a crise provocada pelo coronavírus “está contraindo alguns segmentos”, com isso a “demanda e os preços vão cair”, gerando uma “perda dupla para o comércio”.

‘Só resta torcer’

Castro citou o caso específico da soja: “Se a gente verificar na primeira semana de março o que o Brasil exportou, verificamos uma queda no preço e uma forte queda na quantidade de soja embarcada”.

Para o especialista, é impossível prever quanto tempo as dificuldades vão durar, por isso só resta pensar no “presente”.

“E torcer para que as coisas se resolvam no menor espaço possível de tempo”, disse José Augusto de Castro.

Sputinik

Comentários

comentários

Veja também