Carlos Lima
Hoje dia 13/12/2017 às 18:51:55

Agronegócio
Carlos Lima | Publicado em 20/11/2017 às 18:04:40

Fundo Amazônia destina R$ 200 milhões para recuperação de Reserva Legal

Fundo Amazônia destina R$ 200 milhões para recuperação de Reserva Legal Enquanto isso, segue a asfixia da economia da Amazônia em nome da proteção ambiental

O Fundo Amazônia, gerido pelo BNDES, lançou, na última quinta-feira (16/11), edital de R$ 200 milhões para recuperação da cobertura vegetal na Amazônia Legal. A Chamada Pública nº 02/2017 apoiará até cinco projetos de recuperação da cobertura vegetal. Apenas pessoas jurídicas e ONGs poderão acessar o recurso.

A prioridade é para Unidades de Conservação, Reserva Legal e APPs de Assentamentos de Reforma Agrária ou em Territórios Quilombolas, Terras Indígenas e Reserva Legal e APPs em pequenas propriedades ou posses rurais de até 4 (quatro) módulos fiscais.

Os recursos financeiros não reembolsáveis, mas só poderão ser acessados por pessoas jurídicas como associações civis, incluindo ONGs; cooperativas e fundações de direito privado.
O período de inscrição de projetos vai até dia 8 de junho de 2018. A divulgação final dos projetos selecionados está prevista para 13 de outubro de 2018. Os projetos poderão ser apresentados por associações, cooperativas e fundações de direito privado.

Em tempo, o Fundo Amazônia dispõe de mais de um R$ 1 bilhão em recursos. A maior parte das aplicações a fundo perdido é entregue a ONGs, ao Ibama e a órgãos ambientalistas governamentais dos estados com foco em ações de repressão (Comando & Controle)

A disponibilização desses R$ 200 milhões não passa de firula do Ministro Sarney Filho tentado mostrar serviço na COP 23.

Enquanto isso segue a asfixia da amazonia

A etapa mais recente da operação de asfixia da economia da Amazônia resultou no embargo de mais 3 mil hectares e na aplicação de 36 autos de infração que totalizam R$ 24 milhões no município de Tailândia, no Pará. Tailândia é uma dos municípios mais pobres do estado. A operação pode render quase R$ 10 milhões aos cobres de ONGs e entidades privadas aptas a receber recursos da indústria da multas criada por Sarney Filho.

Todos os 17 estabelecimentos fiscalizados foram embargados. Segundo o coordenador da operação, Norberto Sousa, os agentes ambientais encontraram espécies de alto valor comercial como Maçaranduba, Ipê, Angelim e Guajará durante as vistorias nas madeireiras.

Cerca de dois mil metros cúbicos de madeira apreendida foram doados a instituições sem fins lucrativos como a Força Aérea Brasileira (FAB), a Polícia Militar do Pará, associações e prefeituras da região. O restante está em processo de doação.

O Ibama, o Ministério Público Federal (MPF) e a Polícia Federal (PF) planejaram a operação realizada em conjunto com a própria Polícia Militar do Estado do Pará.

 Blog Ambiente Inteiro

Comentários

comentários

Veja também