Carlos Lima
Hoje dia 16/08/2018 às 22:24:59

Agronegócio
Carlos Lima | Publicado em 16/05/2018 às 09:06:12

Xico Graziano diz, o agronegócio esquerda se baseia em ‘agromitos

Xico Graziano diz, o agronegócio esquerda se baseia em ‘agromitos Rose Brasil

O pré-candidato ao Planalto pelo Psol, Guilherme Boulos, afirmou no programa Roda Viva, da TV Cultura, que “a maioria do alimento que chega na mesa do povo brasileiro não vem do agronegócio, vem da agricultura familiar”. Está certo isso?

Não, está errado. O número correto é 25%. Quem garante é o prof. Rodolfo Hoffmann, conceituado economista agrário. Trabalhando com os dados do Censo Agropecuário do IBGE, o professor da Esalq/Unicamp tomou por base o valor monetário, e não os volumes físicos (toneladas), gerado no campo.

Sua conclusão foi precisa: “a afirmativa de que a agricultura familiar produz 70% dos alimentos consumidos no Brasil não tem base e, pior, não tem sentido. A afirmativa é falsa. O valor monetário de toda a produção da agricultura familiar corresponde a menos de 25% do total das despesas das famílias brasileiras com alimentos. ” Confira seu ensaio.

Conclusão: é totalmente fake dizer que 70% dos alimentos do Brasil sejam produzidos pela agricultura familiar. Jamais se descobriu qualquer estudo acadêmico que embase essa informação, corrente na internet. De onde, então, surgiu esse fatídico número?

Em 2012, o IBGE divulgou uma tabulação especial, baseada nos levantamentos do Censo Agropecuário de 2006, mostrando que a agricultura familiar respondia, entre outros gêneros, por 83,2% da produção de mandioca, 69,6% da produção de feijão, 33,1% da produção de arroz em casca e 14,0% da produção de soja. Esses eram os números reais.

Daí, então, algum iluminado assessor do Ministério do Desenvolvimento Agrário, comandado na época pelo PT, preparou um documento onde, sem mostrar nenhuma metodologia, e para valorizar o programa de reforma agrária, colocou que 70% do alimento advinha dos agricultores familiares. O número mágico virou discurso oficial da esquerda.

Intrigado, o prof. Hoffmann decidiu pesquisar o assunto. Embora ligado ao PT, os ideólogos da esquerda fingiram que não leram seu trabalho. Ficaram quietos, e fizeram a luta política mascarar o conhecimento técnico. Criou-se assim um dos mais poderosos ‘agromitos’ utilizados no Brasil.

Boulos não tem culpa pelo equívoco. Ele apenas repete o mantra dessa esquerda irresponsável, que adora atacar o agronegócio. Na essência, sua formulação diz que, voltada para a exportação, a agricultura empresarial não produz comida para os brasileiros. O equívoco é brutal.

Tome-se o caso da soja. Muitos dizem que essa oleaginosa apenas se destina ao mercado externo quando, na verdade, dela se extrai o óleo consumido pela maioria da população brasileira. Óleo de soja representa um alimento básico nas mesas das famílias mais pobres. Os ricos consomem óleo de girassol, canola ou milho.

Na indústria processadora, após o esmagamento para extração do óleo, resta o farelo de soja. Extremamente proteico, esse subproduto é componente essencial –chegando a atingir 60%– das rações que alimentam as granjas de aves e suínos.

Acontece que da carne de frango produzida no país, 69,8% são consumidas (2016) aqui no mercado doméstico; nos suínos, o consumo interno foi de 81,4% da carne produzida. Ou seja, sem a soja do “agronegócio” a nossa população não comeria frango assado ou costelinha da feijoada, nem o ovo, a linguiça, o pernil, o filé de peito, nada disso.

Tem mais. Especialmente no Sul do país, grande parte das lavouras de soja é conduzida por milhares de pequenos agricultores, que cultivam área entre 30 a 100 hectares. São produtores rurais enquadrados no PRONAF, o programa oficial de apoio aos familiares do campo. Seu nível de tecnologia e produtividade, entretanto, se equipara ao dos produtores gigantes de Mato Grosso. Embora familiares, têm o agronegócio na veia. Qual o segredo? O cooperativismo. Pequenos, juntos, ficam grandes, e fortes.

Conforme diz o professor Hoffmann, “não é necessário criar ‘estatísticas’ sem sentido para mostrar a importância da agricultura familiar no Brasil”. Eu arremato: nem inventar mentiras contra o agronegócio.

Fernando Rodrigues

Comentários

comentários

Veja também