Carlos Lima
Hoje dia 17/09/2019 às 22:49:12

Cultura
Carlos Lima | Publicado em 17/10/2015 às 18:25:59

PSDB finge que não ouviu Lara Resende

PSDB finge que não ouviu Lara Resende Lara Resende

Depois de ler as opiniões do economista André Lara Resende sobre a Operação Lava Jato, proferidas numa conferência em Nova York e registradas pela correspondente Taís Bilenky, da Folha, convém perguntar o uso que o PSDB e o DEM pretendem fazer delas. A pior atitude seria fechar os olhos, tapar os ouvidos e a boca, como têm feito até aqui.

Um dos mais influentes cérebros do mercado financeiro, interlocutor frequente de Fernando Henrique Cardoso, Lara Resende aponta para um cenário de tragédia política e econômica no horizonte. Diz que impeachments  sempre são “traumáticos” e que o afastamento de Dilma Rousseff deve ser evitado. Não é só.

Enquanto o Ministério Público faz campanha para transformar a corrupção em crime hediondo, Lara Rezende deixa claro  que os indícios de corrupção “sistêmica” no país colocam a necessidade de se discutir uma pacificação entre as partes — e não a lógica da vingança e do conflito.

Lembrando o valor insubstituível de uma vida humana, vai um pouco mais fundo na crítica a campanha do MP. Faz questão de dizer que não acha corrupção “mais grave que assassinato.”

Rejeitado a noção de que o remédio infalível para mais crimes é mais punição, ele disse: “Minha impressão é que, quando você tem uma crise como a que temos no Brasil, a forma que podemos usá-la para provocar uma mudança é dizer: Vamos começar do zero, vamos superar o passado”, diz Lara Resende.

Rompendo a melodia ufanista em torno do juiz Sérgio Moro e da Força-Tarefa do Ministério Público, diz que “alguns procuradores” fazem uma “oposição totalitária fascista”, sublinhando, numa observação que ajuda a entender a gravidade do que ocorre hoje, que o “clima emocional” do país  “está muito propício a esse modo de lidar”.

Em resposta ao questionamento de uma estudante, Lara Rezende cita a “Mani pulite”, que investigou esquemas de corrupção na Itália, nos anos 1990. Seu balanço: “Deixou o país completamente desmantelado, causou o colapso dos dois principais partidos e o que veio depois? [O ex-premiê Silvio] Berlusconi.”

Cabe registrar que nenhuma observação de Lara Resende ganharia o prêmio de originalidade nos debates sobre a Lava Jato. Nem é isso o que importa.

O importante é sublinhar um ponto. Críticas que até há pouco eram descartadas como pura invenção de aliados do governo  começam a ser reconhecidas como verdade por vozes que se encontram do lado oposto do espectro político.

Lara Resende é um adversário assumido e rigoroso das principais linhas de política econômica implantadas no país a partir de 2003. Não custa lembrar que, como presidente do BNDES, esteve a frente dos programas de privatização de estatais no governo FHC.

Não é preciso concordar com a visão de mundo de André Lara Resende – a quem fiz críticas duras neste espaço ao longo da campanha de 2014 – para reconhecer o valor de sua conferência. Ela ocorre num momento em que o  país se encontra às voltas com permanentes demonstrações de desonestidade intelectual, que ajudam a alimentar uma crise em larga medida artificial.

Paulo Moreira Leite

Comentários

comentários

Veja também