Carlos Lima
Hoje dia 20/09/2017 às 20:20:17

Curiosidades
Carlos Lima | Publicado em 27/05/2017 às 09:41:03

A ideia de que ‘prender todo mundo’ acaba com a corrupção é ingênua, diz cientista político

A ideia de que ‘prender todo mundo’ acaba com a corrupção é ingênua, diz cientista político 'prender todo mundo' não acaba com a corrupção diz cientista politico

Em meio àqueles que comemoram as mais recentes denúncias e prisões da operação Lava Jato, muitos veem nelas um motivo adicional para uma descrença total nos políticos brasileiros.

O clima de revolta com os políticos se acirrou ainda mais após a divulgação na semana passada das delações dos executivos da JBS e das conversas mantidas por um dos donos da empresa com o presidente Michel Temer e, em outra ocasião, com o senador Aécio Neves (PSDB-MG).

Nas redes sociais, têm sido comuns manifestações de revolta que vão desde “prendam todos os corruptos” e até a negação quase total da política – “ninguém presta”.

Para o economista e cientista político Bruno Pinheiro Wanderley Reis, as duas lógicas são perigosas – e nenhuma delas resolverá a crise política que assola o país desde 2014, porque “prender corruptos não significa extinguir a corrupção”.

“A leitura aí é que você prende os corruptos, e então vão ficar só os não-corruptos. Isso é conversa fiada, uma bobagem”, afirma.

“É ingenuidade achar que a Lava Jato vai extinguir a corrupção”, acrescenta.

Reis compara a corrupção aos vírus de computador – por mais que se criem antivírus, eles não vão ser capazes de extinguir todos os vírus existentes.

“Você tem que combater corrupção, sim, é uma tarefa permanente do Estado, mas é mais ou menos como empresa de computação criando antivírus. Ela não vai conseguir extinguir os vírus. Ela vai fazer antivírus o tempo todo. Isso não tem um ponto de chegada”, exemplifica.

Reis diz ainda que o desafio do Brasil não é descobrir como se livrar de políticos corruptos, mas sim como proteger o político da corrupção ativa praticada pela sociedade.

Para o professor na UFMG e pesquisador do estudo Dinheiro e Política: A Influência do Poder Econômico no Congresso Nacional, no Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), a corrupção na política brasileira “não é mais fator desviante, e sim comportamento padrão”.

E a solução, ele garante, não está em “prender todo mundo”, mas em uma boa reforma do atual sistema político – que, em suas palavras, “é corrupto por lei”.

Renata Mendonça

 

Comentários

comentários

Veja também