Carlos Lima
Hoje dia 07/12/2019 às 14:40:16

Ciências
Carlos Lima | Publicado em 25/11/2019 às 09:49:52

Astrônomos acreditam ter encontrado o local de queda do satélite Longjiang-2

Astrônomos acreditam ter encontrado o local de queda do satélite Longjiang-2 Astrônomos acreditam ter encontrado o local de queda do satélite chinês Longjiang-2. Foto: © AP Photo / Administração Espacial Nacional da China / Agência de notícias Xinhua

A China começou há pouco a desenvolver ativamente seu programa lunar, lançando seu primeiro rover lunar em janeiro de 2019, que estudou o lado oculto da Lua e conduziu vários experimentos no local.

Astrônomos da Universidade do Estado de Arizona informaram ter conseguido identificar aproximadamente o local na superfície da Lua onde o satélite chinês Longjiang-2 teria caído em 31 de julho.

De acordo com Mark Robinson, chefe da equipe operadora da Câmera de Reconhecimento Orbital (LROC, na sigla em inglês) da NASA, o satélite caiu na cratera Van Gent.

A fim de determinar sua localização, a equipe comparou duas fotos feitas pela LROC antes do acidente de três de julho e após cinco de outubro. Análises das duas imagens revelaram alterações na superfície da Lua, que agora é marcada por uma mini-cratera, com um diâmetro em torno de 4 a 5 metros, que marcaria o local onde o satélite chinês caiu, segundo o portal Space.

O Longjiang-2 foi lançada pela China em maio de 2018 e deveria funcionar em conjunto com o satélite Longjiang-1 durante um ano, mas continuou em funcionamento por mais um ano e dois meses antes de cair na Lua. Os dois satélites testavam tecnologias de observação astronômica de baixa frequência desenvolvidas pela China.

A China começou seu programa de exploração da Lua em 2003, mas recentemente teve seus maiores avanços. Pequim lançou uma espaçonave com um rover em direção ao lado oculto da Lua, que até então era pouco explorado.

O veículo lunar aterrissou com sucesso em janeiro de 2019, conduziu estudos da superfície e realizou alguns experimentos.

Além disso, as ambições espaciais chinesas levam o país a considerar enviar seu primeiro astronauta ao satélite da Terra até 2030.

Sputnik

Comentários

comentários

Veja também