Carlos Lima
Hoje dia 23/07/2019 às 02:35:54

Sergio Jones
Sérgio Jones | Publicado em 17/06/2019 às 11:00:21

Brasileiros constrangidos em ter Bolsonaro como presidente/ Por Sérgio Jones

Brasileiros constrangidos em ter Bolsonaro como presidente/ Por Sérgio Jones

Diante das sucessivas bobagens e patuscadas apresentadas pelo presidente Jair Bolsonaro durante entrevistas, e a maneira como vem administrando a nação, concedidas à imprense nacional e internacional. Os constrangimentos para o povo brasileiro têm se tornado visivelmente intoleráveis.

Uma das mais recentes, de seu manual de besteirol, foi ter afirmado não ter visto nenhuma maldade em advogado ter conversado com promotor, polícia Federal falar com promotor. Se referindo ao comportamento nada ético do xerife dele, de obras prontas, Sérgio Moro.

Mas segundo diálogos expostos pelo site Intercept, estes deixam claro que o rei está nu. Enquanto era juiz da Lava Jato, Moro discutira como o procurador Deltan Dallgnol processos em andamento e comentava pedidos feitos à justiça pelo Ministério Público Federal.

A cópia mal elaborada da figura do presidente tentou justificar o silêncio que manteve por vários dias, diante da imprensa, sobre o caso ao declarar que “uma imagem vale mais que mil palavras” e citou o fato de ter ido junto com Moro a um evento da Marinha, na terça (11), de quem permaneceu ao lado durante a cerimônia.

No tocante aos possíveis desdobramentos que as mensagens podem trazer para a Lava Jato, o indigitado presidente, argumenta que: “O Brasil tem muito a agradecer ao ex-juiz”.

E acrescentou mais uma inverdade ao afirmar que o ministro se manteve isento no período das eleições, que ele “não fez campanha” e “nem entrou em campo”.

Com relação ao ex-presidente Lula, Bolsonaro mostrou-se incomodado ao ser questionado por um repórter sobre o fato de ter o ex-presidente colocado em dúvida a veracidade da facada da qual foi vítima em 2018. “Presidiário presta depoimento, não dá entrevista”, disse.

Persistindo em sua retórica incompreensível argumentou a seu favor de que poderia exibir a cicatriz para provar que era verdade. E que o mesmo não teria “nem grana e nem contatos” para forjar o ataque.

E de forma debochada e pouco inteligente disse que se a facada recebida por ele, que não apresentou sangramento, fosse desferida na barriga do Lula, no lugar do sangue verteria muita cachaça.

O fato inusitado que chamou a atenção dos repórteres foi a atitude adotada pelo ministro do GSI, general Augusto Heleno, demonstrando total desequilíbrio mental sobre o episódio da facada em Bolsonaro. Chamou o ex-presidente de “canalha” e foi enfático ao afirmar que “tinha vergonha” de ele ter sido presidente do Brasil.

Quanto ao tratamento de subserviência mantido diante do presidente ao trata-lo de “senhor” era uma questão de respeito.

No que tange à existência de um ex-Presidente da República desonesto, este deveria ter “prisão perpétua decretada”.

Não seria este o caso de se perguntar o que o general, cabeça torta, está fazendo ao lado de Bolsonaro, e porque ambos não se encontram em prisão perpétua?

Sérgio Jones, jornalista (sergiojones@live.com)

Comentários

comentários

Veja também