Carlos Lima
Hoje dia 20/10/2019 às 08:20:05

Sergio Jones
Sérgio Jones | Publicado em 30/09/2019 às 09:28:01

Deputados do Democrata querem que os EUA deixem de tratar o Brasil como parceiro comercial / Por Sérgio Jones*

Deputados do Democrata querem que os EUA deixem de tratar o Brasil como parceiro comercial / Por Sérgio Jones* Deputado americano do Democrata pede rompimento com o Brasil

O efeito do desastrado discurso proferido pelo desequilibrado presidente, Jair Bolsonaro, recentemente na Assembleia Geral da ONU.

Causou perplexidade internacional e seus efeitos insalutíferos já começam a reverberar no Brasil.

De acordo com uma resolução assinada por 15 deputados do Partido Democrata, dos Estados Unidos, sugere a suspensão de toda a assistência às forças militares e policiais brasileiras.

Também, exigem eles, que os EUA deixem de tratar o Brasil como parceiro comercial preferencial, situação que poderá ser revertida, caso o presidente brasileiro passe adotar “medidas efetivas” para reduzir a violência policial no país, e deixe de provocar, de forma criminosa, danos ao meio ambiente e de promover sistemáticos ataques aos direitos dos trabalhadores, entre outros pontos.

Outra apreensão também expressa tem como cenário a “profunda preocupação com as ameaças aos direitos humanos e ao Estado Democrático de Direito” no Brasil.

O documento ainda faz um veemente apelo para que os EUA oponha-se formalizar qualquer tipo de empréstimo através do Banco Mundial ou do Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID) a projetos que contribuam para desmatamento da região amazônica.

A medida de caráter resolutivo foi apresentada na quarta-feira (25/06), um dia logo após o fatídico discurso beligerante de Bolsonaro na assembleia Geral das Nações Unidas (ONU).

O documento deverá passar por várias comissões na Câmara dos Deputados dos EUA antes de ser votada em plenário, processo que pode levar meses.

Caso aprovada em definitivo, não terá força de lei, mas, dada a tradição política do país, deverá ser levada em consideração pelo governo.

Sérgio Jones, jornalista (sergiojones@live.com)

Comentários

comentários

Veja também