Carlos Lima
Hoje dia 19/03/2019 às 16:38:55

Religião
Carlos Lima | Publicado em 28/02/2019 às 16:58:35

Dom Orani confessa desvio de R$ 52 milhões através de organização ligada à Igreja

Dom Orani confessa desvio de R$ 52 milhões através de organização ligada à Igreja Cabral acusa Dom Orani e a igreja

Se o depoimento de Sergio Cabral pôs em xeque a reputação de Dom Orani Tempesta, a delação de um ex-padre ligado à Arquidiocese do Rio escancara de vez que a Igreja Católica fluminense está na mira da Lava Jato.

O ex-padre Wagner Augusto Portugal confessou ter participado de desvios de 52 milhões em contratos da Secretaria de Saúde fluminense com a Pró-Saúde, organização ligada à igreja que administra hospitais sob acordos milionários com o governo carioca.

A delação foi revelada em primeira mão pela revista Época.

Assistente direto de Dom Orani por quase vinte anos, Portugal era Diretor de Relações Institucionais e Filantropia da organização.

Segundo ele, esses desvios ocorreram a partir de 2013.

A delação corrobora as declarações de Cabral.

Em seu depoimento mais recente à Justiça, o ex-governador acusou Dom Orani de ter ‘interesse’ no suposto esquema de propinas que envolveria a Pró-Saúde.

“O dom Orani devia ter interesse nisso, com todo respeito ao dom Orani, mas ele tinha interesse nisso.

Tinha o dom Paulo, que era padre, e tinha interesse nisso.

E o Sérgio Côrtes nomeou a pessoa que era o gestor do Hospital São Francisco.

Essa Pró-Saúde certamente tinha esquema de recursos que envolvia religiosos. Não tenho a menor dúvida”, disse o ex-governador.

As investigações são desdobramentos da Operação Calicute, que prendeu Cabral e outros nomes graúdos da política no estado, e corriam em segredo até o ex-governador mencioná-las em depoimento.

Até agora, não há nenhum elo que ateste o envolvimento de Dom Orani no esquema.

O MPF apura se os desvios eram usados para pagar despesas pessoais dos sacerdotes.

Os investigadores também sustentam que, como entidade filantrópica, a Pró-Saúde não poderia ter patrocinado a Jornada Mundial da Juventude, junto a marcas como Bradesco, Itaú, Santander, Ferrero, e McDonald’s.

Em nota, a Arquidiocese do Rio limitou-se a comunicar que “a Igreja Católica no Rio de Janeiro e seu arcebispo têm o único interesse que organizações sociais cumpram seus objetivos, na forma da lei, em vista do bem comum.”

Também em nota, a Pró-Saúde informou que colabora com a investigação e não comentará os fatos.

“A entidade filantrópica reafirma neste momento o seu compromisso com ações de fortalecimento de sua integridade institucional, bem como com a prestação de um importante serviço à saúde do Brasil”.

Carta Capital

Comentários

comentários

Veja também