Carlos Lima
Hoje dia 13/11/2018 às 19:49:22

Reportagem Especial
Carlos Lima | Publicado em 22/10/2018 às 19:06:55

Dom Pedro I de aprendiz a Grão Mestre em menos de 10 dias e fechou a Maçonaria no Brasil em 1822.

Dom Pedro I de aprendiz a Grão Mestre em menos de 10 dias e fechou a Maçonaria no Brasil em 1822. Maçonaria do Apostolado

No dia 13 de maio de 1822, o Brigadeiro Domingos Alves Branco Muniz Barreto propôs que a Maçonaria conferisse a D. Pedro I o título de Protetor e Defensor Perpétuo do Brasil, para que, à dignidade de Regente, emanada do Soberano português, se juntasse outra outorgada pelo povo.

D. Pedro I, lembrando-se de Cromwell, não aceitou a palavra Protetor e ficou somente Defensor Perpétuo. Na época a Maçonaria funcionava na antiga Rua da Ajuda, na casa de Joaquim José da Rocha.

Ali começou a trama para forçar o príncipe a ficar no Brasil, desobedecendo ao chamado da metrópole e inutilizando a ação da tropa portuguesa do comando do General Avilez.

O Fico foi a porta aberta para o grito de “Independência ou Morte!”. Quando D. Pedro seguiu para o interior, para conquistar o apoio de Minas e S. Paulo, a Maçonaria decidiu recebê-lo no seu seio e dar-lhe o malhete de Grão-Mestre.

Na mesma noite do seu regresso da Paulicéia, tomou posse do cargo. Foi sem dúvida, José Bonifácio quem cuidadosamente o guiara até o seio da Loja.

Era ele, então, o Grão-Mestre em Exercício. Tomou o Imperador como maçom a alcunha ou nome de guerra de Guatimozin. Iniciado como aprendiz, e, em oito dias galgava todos os graus até o último.

Menezes Drummond conta que, no dia de sua aclamação, o Imperador se achava rodeado de todos os irmãos trazendo armas ocultas.

Mesmo antes de proclamada a independência e de se instituir o Império Brasileiro, formaram-se no seio da Maçonaria duas facções rivais, a de Gonçalves Lêdo e a de José Bonifácio.

Este dirigia os mais conservadores; aquele os mais liberais, os mais avançados. Girondinos e Jacobinos. Por isso o Patriarca deixou o Grande Oriente e fundou o Apostolado ou Nobre Ordem dos Cavaleiros de Santa Cruz.

D. Pedro foi eleito seu Arconte-Rei e José Bonifácio, Cônsul. Ambos prestaram juramento a 22 de junho de 1822.

O Imperador, como se vê, pertencia às duas facções maçônicas e procurou navegar entre elas sem choques bruscos. Todavia a de Lêdo exigiu dele o juramento prévio da Constituição que ia votada.

D. Pedro rebelou-se e, assomado de gênio como era, mandou na qualidade de Grão-Mestre a Gonçalves Lêdo a seguinte prancha:

“Cumprindo fazer certas averiguações públicas como particulares na Maçonaria, mando primo como Grão-Mestre que os trabalhos da maçonaria se suspendam até segunda ordem minha.”

“É o que tenho a participar-vos agora. Resta-me reiterar os meus protestos como irmão. Pedro Guatimozin, Grão-Mestre”.

Seco e expressivo. Lêdo submeteu-se, mas lançou a Marquesa de Santos contra José Bonifácio.

O Imperador, numa noite chuvosa, à frente de 50 soldados do Regimento de Artilharia Montada, entrava na sede do Apostolado, na Guarda Velha, onde hoje fica o Tabuleiro da Baiana, fechava o Templo e mandava carregar os arquivos para lugar seguro.

A luta entre o soberano e as facções maçônicas continuou daí por diante sem solução até a queda de Sua Majestade na madrugada de 7 de abril de 1831, provocada por aqueles mesmos liberais exaltados que já pensavam em república.

Um de seus jornais dizia nessa ocasião estas palavras significativas:

“O perjuro abdicou. Devemo-lo deixar partir em paz, podendo ele colher livremente os frutos das traições Cometidas contra nós”.

Confissão mais do que clara que D. Pedro I era um traidor da Ordem.

Até nossos dias atuais as insígnias maçônicas usadas por D. Pedro I estão guardadas no Museu Histórico, ao qual foram doadas pela Viscondesa de Cavalcanti, cujo marido, um dos estadistas do Império, as conservava com o maior carinho.

São as seguintes: faixa bordada a seda e ouro com a águia bicéfala de Cavaleiro Kadosch como pendente; avental de Grão-Mestre com a figura do templo à sombra da Acácia; malhete de sinais, de bronze dourado, com o nome do Imperador gravado em relevo; finíssimo espadim de lâmina de Toledo e punho de latão dourado e filigranado.

Ao lado dessas preciosas relíquias, há uma outra encontrada nos desvãos do Paço de S. Cristóvão, quando o mesmo foi entregue ao Museu Nacional. Trata-se dum gládio maçônico grande e forte, de punho singelo e bainha de veludo vermelho.

Acredita-se quer tenha pertencido também a D. Pedro I, de vez que D. Pedro II nunca fez parte, que se saiba, de qualquer sociedade secreta. Talvez seja o gládio de Arconte-Rei no Apostolado.

Tais peças recordam aos brasileiros de hoje o papel representado junto à Maçonaria pelo Imperador D. Pedro I, Guatimozin e Arconte-Rei ao mesmo tempo.

D. Pedro I, usado pela Maçonaria visando ampliação de poder, agindo contra seus princípios em menos de 10 transformou D. Pedro I  de aprendiz a Grau Mestre,  passando por todos os graus.

Em seguida acontece a primeira divisão na Maçonaria, nessa divisão Dom Pedro I também recebe o mais auto grau do grupo criado, tentou transitar nos dois grupos como o líder maior e terminou por fechar o Grande Oriente do Brasil e o Apostolado.

A luta entre o soberano e as facções maçônicas continuou daí por diante sem nenhuma solução até a queda de Sua Majestade na madrugada de 7 de abril de 1831, provocada por aqueles mesmos liberais exaltados que já pensavam em república.

Um de seus jornais dizia nessa ocasião estas palavras significativas: “O perjuro abdicou. Devemo-lo deixar partir em paz, podendo ele colher livremente os frutos das traições Cometidas contra nós”.

A Ordem Maçônica só foi oficialmente reaberta no começo do Segundo Império com D. Pedro II.

Cljornal em pesquisa em material histórico de Segredos e Revelações da História do Brasil, por Gustavo Barroso.

Comentários

comentários

Veja também