Mudança genética poderia criar ‘supersoldados’ e espalhar epidemias

Share on whatsapp
WhatsApp
Share on twitter
Twitter
Share on facebook
Facebook
Share on google
Google+
Share on linkedin
LinkedIn
Share on email
Email
Mudança genética poderia criar 'supersoldados' e espalhar epidemias. Foto: © CC0

De acordo com especialistas em ética, não há lei que regule a pesquisa em tecnologia de edição de genes, com isso, ela poderia ser utilizada para fins militares.

A comunidade científica mostra certa preocupação sobre a nova ameaça para a humanidade, que pode surgir, caso cientistas amadores ou de má índole comecem a manipular o DNA.

“Você só tem que pensar naqueles cenários de ficção científica onde os embriões são editados para se tornarem soldados muito poderosos que não precisam dormir, não sentem dor e são eficazes em batalha”, afirmou a professora Christiane Woopen, diretora-executiva da Universidade de Colônia (Alemanha).

A professora ressalta que apesar de ser um cenário biologicamente irrealista, há o risco de que os cientistas tentem realizar tais proezas, já que se trata de uma tecnologia poderosa e que pode ser prejudicial caso caia em mãos erradas.

A modificação genética virou debate internacional, já que suas vantagens e riscos são questionados por muitos, principalmente a alteração genética em seres humanos. Os debates ganharam ainda mais força depois do nascimento de Lulu e Nana, duas garotas chinesas que alegadamente são os primeiros seres humanos cujo DNA foi alterado utilizando a tecnologia CRISPR-Cas9, ostensivamente para torná-las imunes ao HIV.

Cientista trabalhando com amostras de DNA
Cientista trabalhando com amostras de DNA. Foto: © AP PHOTO / GERALD HERBERT
Anteriormente, foi criado um registro global para rastrear todas as pesquisas de modificação genética em humanos, entretanto, especialistas afirmam que não são apenas os humanos que devem ser colocados na lista.

“Você poderia, por exemplo, editar geneticamente as bactérias que são muito infecciosas e provocam doenças desastrosas, e que podem ser transmitidas de uma pessoa para outra de maneira muito simples, criando uma epidemia com uma doença muito grave”, alertou Christiane Woopen.

Woopen ainda ressalta a simplicidade das técnicas e que não é necessário ser um grande especialista para utilizar a tecnologia CRISPR, bastando apenas obter um kit de edição de genomas pela Internet.

Sputnik

OUTRAS NOTÍCIAS