Carlos Lima
Hoje dia 25/03/2019 às 18:14:51

Sergio Jones
Sérgio Jones | Publicado em 12/12/2018 às 11:53:52

O começo do fim / Por Sérgio Jones*

O começo do fim / Por Sérgio Jones* O fim no começo e o começo do fim

A desorganização do desgoverno de “Bolsosauro” que terá início nesse trágico primeiro de janeiro de 2019, promete ser um dos mais desastrosos nos anais registrados nas páginas da história do Brasil.

Não se trata de vaticínios nem torcendo para que nada dê certo. A questão é bem outra. A sua linha de trabalho se assemelha a um pálido arremedo do golpe de 1964.

De acordo com os desastrosos pronunciamentos deste desgoverno e devido a pusilaminidade dos mesmos, fatores estes que podem ser normalmente observados pelas tomadas de decisões, e em seguida os seus constantes recuos, se evidenciam como verdadeiro desmonte social provocados pelos sucessivos governos que têm contribuído, de forma ruinosa, para o rompimento dos frágeis tecidos que compõem as redes sociais que nos envolve.

Mais um ato de total irresponsabilidade política e até mesmo de incompetência pode ser observado com a montagem da equipe de seres degenerados que irão compor a administração do “Bosolsauro”.

Vejamos o caso mais recente do anúncio feito pelo presidente eleito neste último domingo (09) que cita o nome do novo ministro do Meio Ambiente: o advogado Ricardo Salles, ex-secretário de Meio Ambiente de São Paulo no governo Alckmin (2016-2017).

Como um dos fundadores do Movimento Endireita Brasil (MEB) e apoiado por ruralistas.

Este ser indigitado, já ocupou por diversas vezes manchetes de jornais devido a declarações fascistas tipo apoio à ditadura e em defesa da pena de morte.

Entre outros processos sofridos, em 2017, ele é réu em uma ação civil do Ministério Público Estadual sob a acusação de participar de alteração ilegal do zoneamento do plano de manejo da Área de Proteção Ambiental da Várzea do Rio Tietê, para favorecer empresas ligadas à Fiesp (Federação das Indústrias do Estado de São Paulo).

Este é o perfil do elemento execrável que foi nomeado para a pasta de meio ambiente.

O que fica evidenciado em todos estes atos insanos, do insidioso presidente eleito, é que a principal função do novo ministro será a promoção de uma verdadeira agenda antiambiental, colocando em prática medidas que resultarão na explosão do desmatamento na Amazônia e na diminuição do combate ao crime ambiental.

O mais grave é que este tipo de ação está se espalhando tal qual erva daninha, em breve pouco ou nada restará deste arremedo de nação chamada Brasil.

Atos como estes representam enormes retrocessos, no cenário político, que resultarão em efeitos extremamente negativos para nossas florestas, nossos rios, a economia e para a vida das pessoas no Brasil e por extensão, em todo o planeta.

Como profetizava o filósofo Sêneca – “ Para a ganância, toda a natureza é insuficiente”.

Sérgio Jones, jornalista (sergiojones@live.com)

Comentários

comentários

Veja também