PERMANECE O CAOS NO TRANSPORTE COLETIVO EM FEIRA DE SANTANA

Share on whatsapp
Share on twitter
Share on facebook
Share on google
Share on linkedin
Share on email
Ônibus do transporte coletivo de Feira escondidos em Serrinha

Recordar é preciso, não é necessário detalhar.

A realidade comprova de forma inequívoca que as mudanças foram incompletas e meteóricas.

Inicialmente apenas um quesito foi atendido à contratação de duas novas empresas com uma frota de ônibus novos e a quantidade de veículos que atendiam completamente a demanda.

Essa realidade foi de curta duração.

Problemas diversos nas referidas empresas fizeram com que vários ônibus sofressem pela justiça a determinação de arresto e outros para não serem resgatados foram deslocados na calada da noite para outras localidades.

Esses veículos nunca retornaram ou foram repostos.

O resultado é uma frota menor do que a contratada e inferior ao exigido pelo índice populacional do município.

Todos esses problemas resultaram no sucateamento de parte da frota.

Os meios detonaram a finalidade de atender o deslocamento da população de um ponto a outro da cidade. Outro agravante é no tocante aos horários que não são cumpridos.

A crise maior é sentida por moradores que residem em bairros situados distantes do centro urbano.

Alegam em favor deles, os empresários, que o numero de passageiros transportados não batem com o que consta nas planilhas do contrato.

Enquanto durar essa justificativa para o péssimo serviço prestado à coletividade, o não cumprimento do que foi acordado por ambas as partes, o povo ficará a mercê dessa incúria administrativa entre o poder público e os empresários do ramo.

Ao longo dos sucessivos governos no município, o povo não vivenciou o que  aconteceu recentemente, quando duas empresas de forma unilateral romperam o contrato com a Prefeitura deixando o povo por um longo período sem transporte público, sendo necessário que uma empresa trouxesse em caráter de emergência vários ônibus, de péssima qualidade, para suprir temporariamente o serviço de transporte de massa da cidade.

Pelo que se observam as feridas no setor permanecem. O numero de coletivos disponíveis atualmente são insuficientes e a qualidade dos serviços deixa a desejar.

A redentora desses caos instalado no setor de transporte coletivo seria a implantação do BRT, iniciado em março de 2013.

De lá para cá já foram investidos quase 100 milhões de reais e o projeto continua inconcluso até a data de hoje. Sem perspectiva de conclusão. Inclusive o Secretário de Planejamento, Carlos Brito, desistiu de fazer qualquer prognóstico de data para inauguração da obra.

Diante dessas irresponsabilidades administrativas o povo é a vítima maior.

O picadeiro do governo é cidade e o povo é o palhaço.

Carlos Lima

 

OUTRAS NOTÍCIAS