Carlos Lima
Hoje dia 12/12/2018 às 16:03:48

Ciências
Carlos Lima | Publicado em 12/11/2018 às 10:23:06

Planeta orbitando em torno de outra estrela é captado

Planeta orbitando em torno de outra estrela é captado Beta Pictoris b orbitando em torno de sua estrela (Foto: CC BY-SA 4.0 / OBSERVATÓRIO EUROPEU DO SUL (OES))

Astrônomos europeus conseguiram observar pela primeira vez como um dos exoplanetas próximos à Terra orbita em torno de sua estrela.

As fotos do fenômeno e seus dados científicos foram publicados no site do Observatório Europeu do Sul (OES).

“Ao ver a estas fotos, se pode pensar que o planeta Beta Pictoris b passa pelo disco da estrela, ofuscando-o um pouco.

Na verdade, nada disso acontece […]

A foto deste mundo é mais um passo e o início de uma nova época no estudo e descobrimento de exoplanetas”, afirmaram os cientistas.

A Beta Pictoris é a segunda estrela mais brilhante na constelação de Pictor, está localizada a 64 anos-luz do Sistema Solar, tem uma massa 1,75 vezes maior que a do Sol e possui uma luminosidade 8,7 vezes maior.

O sistema de Beta Pictoris é muito jovem, tendo somente entre 8 e 20 milhões de anos.

Este corpo celeste atraiu a atenção dos astrônomos ainda no início dos anos 1980, tendo uma radiação infravermelha invulgarmente forte.

Verificou-se que sua fonte era um disco de gases e poeira, orbitando em torno da estrela, onde posteriormente foi encontrado o planeta Beta Pictoris b.

As primeiras fotos deste mundo emergente e de seu “manto” de gases e poeira foram obtidas pelo telescópio Hubble ainda em 2009.

As observações posteriores do planeta revelaram várias particularidades estranhas, inclusive seu tamanho gigante e uma órbita invulgarmente inclinada.

Utilizando a ferramenta NACO, através do telescópio VLT no Chile, ao longo dos últimos quatro anos os cientistas observaram o Beta Pictoris b orbitando em torno do astro e sobrevoando a borda do disco no momento em que a estrela e o gigante gasoso “olham” em direção à Terra.

Devido às temperaturas muito altas, a vida dificilmente poderia existir na sua superfície, bem como em seus satélites.

Por outro lado, a observação destes mundos pode ajudar a entender como surgem os planetas e do que depende a localização de “zonas de vida” em estrelas brilhantes e grandes.

JB

 

Comentários

comentários

Veja também