Carlos Lima
Hoje dia 21/07/2018 às 19:40:04

Religião
Carlos Lima | Publicado em 20/12/2017 às 12:27:43

Religião não é dispositivo para os políticos

Religião não é dispositivo para os políticos O povo tem que estar atento porque religião não é um dispositivo que os políticos podem empregar em manifestações para seu próprio benefício

Recentemente a imprensa liberal americana criticou uma fala do presidente Trump que disse que os americanos iriam voltar a dizer “Merry Christmas” (Feliz Natal) e não “Happy Holidays” (Boas Festas). Aqui no Brasil muitos não devem entender esta polêmica. Na verdade há anos que a elite e os liberais por lá, querem substituir a expressão ‘Feliz Natal’ por ‘Boas Festas’ com a desculpa de que Natal é algo não inclusivo. Se você prestar atenção vai perceber que a palavra ‘NATAL’ em inglês é ‘CHRISTMAS’ composta do nome ‘CHRIST’ ou seja ‘CRISTO’. Em português nossa palavra natal não tem isso. Mas os liberais americanos se ofendem de ter que ao cumprimentar alguém, ter que dizer o nome de Cristo durante o feriado do Natal.

O relato bíblico do nascimento de Jesus Cristo tem também significado político. Sua genealogia no Evangelho de Mateus descreve que ele faz parte da família real como herdeiro do rei Davi. Os títulos Salvador e Messias, que imaginamos são meramente religiosos, possuem conotações políticas de libertação, livramento. No evangelho de Lucas a oração de Maria traz uma descrição interessante no seu famoso Magnificar: ” Com o seu braço realizou atos poderosos; Ele dispersou aqueles que estão orgulhosos em seus pensamentos mais íntimos. Ele derrubou os governantes dos seus tronos, mas elevou os humildes “(Lucas 1: 51-52).

Nos Estados Unidos mais de 65% da população diz que religião é um importante fator considerado na tomada de decisão política. Lá como aqui os políticos sabem que o voto dos religiosos é fundamental para quem quer se eleger. A crise atual do país faz com que as pessoas se sintam muito menos seguras economicamente e, em relação à saúde e ao bem-estar, ao futuro. Essa insegurança existencial tem feito as pessoas se voltarem para a religião ainda mais.

No Brasil os politicos sabem que não podem ignorar o cristianimo da maioria da população. No Tocantins e em Palmas o numero de evangélicos só cresce a cada ano. Politico que não consegue transmitir qualquer tipo de fé ao povo, sabe que vai perder. A maioria das pessoas não gosta de secularistas, e dos que parecem não ter nenhuma fé e piedade. Aqui no estado os politicos falam muito sobre a religião e se esforçam para cooptar e reivindicar o manto cristão para si. Alguns são deceptivos e tentam exibir um tipo de cristianismo genérico, sem raízes profundas.

Mas o povo tem que estar atento porque religião não é um dispositivo que os políticos podem empregar em manifestações para seu próprio benefício. Se eles realmente acreditam nos valores cristãos, eles devem fazer como João Batista que no Evangelho de João afirmou que, “É necessário que eu diminua e que Ele(Jesus) cresça.” Que o Natal sirva de reflexão para que possamos distinguir os lobos em pele de cordeiro e possamos em 2018 diferenciar o joio do trigo. E que todos os amigos desta coluna e colaboradores, tenham boas festas. Até o ano que vem.

Francisco Vieira – Vieirinha

Comentários

comentários

Veja também