Carlos Lima
Hoje dia 12/11/2019 às 23:20:30

Economia
Carlos Lima | Publicado em 10/11/2019 às 14:52:03

Confederação Nacional das Industrial celebra redução do custo do trabalho

Celebração equivocada

Confederação Nacional das Industrial celebra redução do custo do trabalho Redução do custo de trabalho

O destaque dado pela Confederação Nacional da Indústria (CNI) à queda do custo unitário do trabalho na indústria brasileira, de 16,1% em 2018 na comparação com 2017, na mesma semana em que o IBGE revelou uma explosão de desigualdade de renda no País, diz muito sobre a visão da elite industrial quanto à perspectiva de desenvolvimento inclusivo.

O indicador representa, segundo a CNI, o custo em dólar com o trabalho para a produção de uma unidade de produto calculado segundo os resultados da produtividade no trabalho, do salário médio real pago aos trabalhadores e da taxa de câmbio.

Com a redução, o Brasil ficou em segundo lugar no critério entre 11 países.

Considerando-se os principais parceiros comerciais, apenas a Argentina, com queda de 27,1%, apresentou “desempenho superior ao brasileiro”, diz o estudo.

Do outro lado da muralha da desigualdade, o 1% mais rico teve aumento de 8,4% na renda do trabalho em relação a 2017 e o rendimento médio mensal de trabalho desse grupo foi quase 34 vezes maior que o da metade mais pobre em 2018, constatou o IBGE na última pesquisa PNAD Contínua.

“Isso significa que a parcela de maior renda arrecadou 27.744 reais por mês, em média, enquanto os 50% menos favorecidos ganharam 820 reais”, sublinha a instituição. As rendas do trabalho constituem 75% das rendas totais.

A PNAD mostrou ainda que a proporção de domicílios que recebiam rendimentos do Bolsa Família caiu de 15,9% em 2012 para 13,7% em 2018. O rendimento

A julgar pelo posicionamento da CNI, os chamados capitães da indústria sobreviventes da abertura do mercado desde 1990 não levam em conta que achatar salários é comprimir ao mesmo tempo o poder de consumo dos seus empregados.

Se as demais empresas fizerem o mesmo, todas venderão menos. Em sentido figurado, dão tiro no pé.

Até mesmo a economista ortodoxa Monica De Bolle, em um tuíte que poderia muito bem ser assinado por algum colega desenvolvimentista, pondera que a desigualdade crescente talvez explique a insuficiência de demanda, pois os últimos dados mostram que, enquanto a renda dos 5% de trabalhadores mais pobres sofreu um declínio de 3%, aquela do 1% mais rico teve um aumento de 8,5%.

A própria CNI admite, no levantamento “Competitividade Brasil 2018-2019”, que o êxito em comprimir salários não significa que o País se tornou mundialmente mais competitivo. Apesar de brilhar no quesito arrocho salarial, ele ocupa a penúltima posição no ranking geral na comparação com 17 países entre desenvolvidos e emergentes e só ganha da Argentina, considerados nove fatores de competitividade.

A pesquisa incluiu ainda Austrália, Canadá, Chile, China, Colômbia, Espanha, Indonésia, Índia, Coreia do Sul, México, Peru, Polônia, Rússia, Tailândia, Turquia e África do Sul.

O Brasil ficou em 6º lugar em disponibilidade e custo de mão de obra e esta foi a posição mais alta que conseguiu conquistar.

Nos demais quesitos, foi de mal a pior, com o 8º posto em tecnologia e inovação, 11º em educação, 12º em estrutura produtiva, escala e concorrência, 15º em infraestrutura e logística, 15º quanto ao peso dos tributos, 16º em ambiente macroeconômico, 16º em ambiente de negócios e 18º lugar, a última posição, em disponibilidade e custo de capital. Neste item, chama atenção o fato de perder até para a Argentina, mergulhada em profunda crise crônica, financeira e econômica.

Não levar em conta o efeito do rebaixamento salarial generalizado na compressão do consumo não é exclusividade do empresariado brasileiro.

A falha de percepção é universal e foi denominada pelos economistas como a “falácia de composição”, que consiste em supor que o todo possui as mesmas propriedades das partes que o integram.

No caso, se um empresário rebaixa os salários dos empregados, seu ganho será maior, mas, se todos os empresários tomarem a mesma decisão, cairá o consumo dos produtos fabricados pelo conjunto.

Vangloriar-se de um rebaixamento de salários que, se for um comportamento generalizado, contrairá as vendas não é a única postura empresarial contraproducente.

Outra é o apoio ao governo Bolsonaro, que, além de comandar a liquidação das reservas nacionais do pré-sal e o desmonte da Petrobras, o que tende a elevar o custo dos combustíveis utilizados pelas empresas, pretende ainda reduzir unilateralmente as tarifas da indústria, de 13,6% para 6,4% em quatro anos, equiparando-a àquelas dos países desenvolvidos que contam, entretanto, com condições gerais muito mais vantajosas de concorrência global, como mostra o trabalho da CNI sobre competitividade.

Segundo a Abimaq, a redução eliminaria 20% das 51 mil indústrias desse setor e extinguiria 100 mil empregos.

Jornalista Carlos Drummond

Comentários

comentários

Veja também