Carlos Lima
Hoje dia 21/10/2018 às 05:26:28

Economia
Carlos Lima | Publicado em 26/01/2018 às 13:44:22

Contas externas fecham 2017 com rombo de US$ 9,7 bi

Contas externas fecham 2017 com rombo de US$ 9,7 bi Apenas no mês de dezembro, déficit nas contas externas foi de US$ 4,3 bilhões. Investimento estrangeiro direto fica em US$ 70,3 bilhões no ano passado, abaixo do previsto.

As contas externas registraram em 2017 um rombo de US$ 9,76 bilhões, informou o Banco Central nesta sexta-feira (26). Em 2016, o déficit foi de US$ 23,54 bilhões.

As transações correntes (contas externas) são formadas pela balança comercial (comércio de produtos entre o Brasil e outros países), pelos serviços (adquiridos por brasileiros no exterior) e pelas rendas (remessas de juros, lucros e dividendos do Brasil para o exterior).

Segundo o chefe do departamento de estatísticas do Banco Central, Fernando Rocha, o resultado registrado em 2017 foi o melhor desde 2007, ou seja, em 10 anos.

Essa trajetória de aumento do déficit das contas externas, segundo Rocha, está relacionada à melhora da economia brasileira e ao resultado da balança comercial, que no ano passado registrou superávit (exportações superiores às importações) recorde.

Apenas em dezembro de 2017 o resultado negativo das contas externas foi de US$ 4,32 bilhões. Em dezembro de 2016 o déficit foi de US$ 5,89 bilhões.

Para 2018, a previsão do BC é de déficit de US$ 18,4 bilhões.

Investimento estrangeiro

O Banco Central também informou nesta sexta-feira que os investimentos estrangeiros diretos na economia brasileira somaram US$ 70,33 bilhões em 2017. Em 2016 eles somaram US$ 78,2 bilhões.

O resultado do ano passado é o menor desde 2013, quando os investimentos estrangeiros no país somaram US$ 69,7 bilhões.

Segundo Rocha, o resultado do investimento direto no país ficou abaixo do esperado.

“Tínhamos para o ano uma projeção de US$ 75 bilhões”, disse.

Apesar da parcial de janeiro mostrar uma previsão de queda no investimento estrangeiro em relação a janeiro de anos anteriores, Rocha afirmou que a previsão do BC ainda é de crescimento do investimento direto no país em 2018.

“Temos 11 meses para correr. Há ainda uma série de perspectivas de operações de investimentos, concessões e outras coisas que devem se materializar ao longo do ano”, disse.

Para 2018, a previsão do Banco Central é de ingresso de US$ 80 bilhões em investimentos diretos no país.

Laís Lis

Comentários

comentários

Veja também