Carlos Lima
Hoje dia 20/07/2018 às 10:19:29

Economia
Carlos Lima | Publicado em 30/06/2018 às 09:11:48

Dólar sobe 17% e fecha o 1º semestre a R$ 3,87

Dólar sobe 17% e fecha o 1º semestre a R$ 3,87 A moeda norte-americana começou a valorizar a partir de abril

Mesmo com a intensificação das ações do Banco Central para conter a alta do dólar, a moeda norte-americana terminou o 1º semestre deste ano com valorização de 17% sobre o real, cotada a R$ 3,87. No início do ano, estava a R$ 3,26.

Embora já venha apresentando volatilidade ao longo do ano, a situação do câmbio se agravou no 2º trimestre, quando aumentou o nível de risco  no mercado internacional. Desde então, o dólar passou a pressionar mais fortemente as moedas de países emergentes. A moeda saiu da casa dos R$ 3,30 em abril para quase R$ 4,00 no início de junho.

Com o pico de valorização, o BC acentuou a venda de swaps –operação semelhante à venda de dólares no mercado futuro– para tentar conter a desvalorização do real. Do final de maio até agora já foram US$ 43 bilhões injetados nessas operações.

Em nota divulgada nesta sexta-feira (29.jun.2018), a autoridade monetária indicou continuidade na intervenção. Afirmou que nas próximas semanas “realizará, sempre que necessário, leilões de swap cambial e de linha (venda de dólares com compromisso de recompra), de acordo com as condições de mercado, para prover liquidez e contribuir para o bom funcionamento do mercado de câmbio”. 

Ressaltou também que o Banco Central e o Tesouro Nacional “continuarão a atuar de forma coordenada no mercado de juros para prover liquidez e contribuir para o seu bom funcionamento”.

A expectativa para o ano não é de redução da volatilidade no mercado financeiro. No cenário internacional, ganharam força os temores de que o Fed (BC dos EUA) suba a taxa de juros do país acima do esperado, causando fuga de capitais de países emergentes, como o Brasil.

Além disso, o mercado está de olho nos riscos do avanço de uma guerra comercial mundial, liderada pelos EUA.

A volatilidade externa é intensificada pelas incertezas no cenário eleitoral brasileiro, que segue indefinido a pouco mais de 3 meses das eleições presidenciais. Os analistas de mercado temem a não continuidade da agenda de reformas iniciadas pelo presidente Michel Temer.

PODER 360

Comentários

comentários

Veja também