Carlos Lima
Hoje dia 23/04/2019 às 11:04:40

Economia
Carlos Lima | Publicado em 11/02/2019 às 16:46:54

Candidata laranja que recebeu R$ 400 mil do partido de Bolsonaro diz que não se lembra de tudo

Candidata laranja que recebeu R$ 400 mil do partido de Bolsonaro diz que não se lembra de tudo CANDIDATA PARA DESVIAR RECURSO

Destinatária de apenas 274 votos durante a campanha, apesar de ser a terceira candidata que mais dinheiro público recebeu do PSL, Maria de Lourdes Paixão, 68, que é secretária administrativa do PSL em Pernambuco, disse que fez campanha, mas que foi prejudicada pela verba em cima da hora.

Ela não soube dar detalhes sobre os gastos que declarou ao Tribunal Superior Eleitoral.

Reportagem da Folha de domingo (10) revelou que o grupo do atual presidente do PSL, Luciano Bivar (PE), recém-eleito segundo vice-presidente da Câmara dos Deputados, criou uma candidata laranja (Maria de Lourdes) que recebeu do partido R$ 400 mil de dinheiro público na eleição de 2018.

O dinheiro do fundo partidário do PSL foi enviado pela direção nacional da sigla para a conta da candidata em 3 de outubro, quatro dias antes da eleição.

 Na época, o hoje ministro da Secretaria-Geral da Presidência, Gustavo Bebianno, era presidente interino da legenda e coordenador da campanha de Bolsonaro, como foco em discurso de ética e combate à corrupção.

A senhora teve uma votação relativamente baixa, 274 votos, apesar de ter uma ajuda do fundo partidário.

O que ocorreu para haver esse baixo desempenho?

É o seguinte, eu recebi um valor expressivo do partido, mas acontece que, quando eu vim a receber, já era campanha final, entendeu, e não deu tempo para eu me expandir ela recebeu a verba dia 3, quatro dias antes da eleição.

O material que foi feito só poderia ser entregue mediante pagamento, então eu fiquei de mãos atadas.

Eu vi que o pagamento saiu dia 3, às vésperas da eleição – Não me lembro das datas corretas não.

O material chegou a ser feito, distribuído?

Sim, sim, sim, sim, algum material foi feito, entendeu?

A sra. fez repasse desse dinheiro para outras campanhas?

Não, não, não, não, não. Fiz tudo dentro do meu material.

Mas eu vi que os pagamentos, pelos extratos bancários, pelo menos parte, foi feito até para depois da eleição, principalmente para uma gráfica, Itapissu, de Juliane Mirella de Carvalho, é isso mesmo?

– Hummm, não sei, eu não lembro de tudo, realmente, decorado.

Entreguei tudo ao contador, eu só fazia os pagamentos porque quando fiz a abertura da conta de campanha só deixei mesmo eu responsável, aí ele contador me disse: ‘Recebeu as notas fiscais?’

Eu mandava para ele, conferia, tudo ok, pode pagar, aí eu fazia o pagamento.

Contador do partido?

Não, o contador contratado para a campanha.

Você se lembra o nome dele?

Não, não me lembro do nome dele.

E a senhora se lembra desse material?

Praticamente você não conseguiu usar na campanha, porque o pagamento chegou em cima do primeiro turno…

Usei, usei um bocado, porque tive militância e eles entregaram uma semana antes, entendeu, foi feito.

Isso é público, você pode ver lá que teve militância[ela declarou gasto com quatro possíveis panfleteiros.

Esse material que foi produzido, ele custou esse valor mesmo, R$ 400 mil?

[silêncio] Ah, assim, eu não sei não, quanto foi tudo no geral não, porque realmente eu não lembro. Com certeza eu não lembro quanto foi. Mas o que foi, foi mediante nota fiscal e tudo, como está lá exposto na prestação de contas.

A decisão para você ser candidata, e de receber esse valor expressivo, um dos maiores valores para os candidatos, isso partiu de quem?

Foi do Bivar que retomou o comando formal da legenda após as eleições?

Não sei, porque inclusive não olhei de outros candidatos quanto foi repassado ou não, não sei te dizer.

Eu digo o valor repassado para você…

Eu sei, eu sei que entrou na minha conta, e eu fiz os pagamentos e fiz a minha parte que eu deveria fazer, fiz a militância, fiz o material.

Mas você pediu esse valor?

Não, não, não, não. Quer dizer, a gente pede, e ficou esperando receber, como todo candidato pede.

Então, é isso que eu queria saber. Você pediu a quem, para o Bivar?

Não, eu pedi ao partido, não pedi especificamente nem a Luciano Bivar, nem a… pedi ao partido.

Dentro do pessoal aqui em Pernambuco, saber quem poderia me ajudar, uma vez que eu não tinha condições financeiras de bancar sozinha.

E ninguém do partido pediu para você repassar esses valores para outras candidaturas, para material de outros candidatos?

Não, que eu não concordaria com isso não. Você pode ver que a minha prestação de contas não tem repasse para nenhum candidato.

Tem só para a gráfica e para o pessoal que, imagino, distribuiu o seu material então, na rua.

E o contador e o advogado que assinaram a prestação de contas.

O José Adeilson Cordeiro de Oliveira, seria esse o contador, você se lembra?

Não, não lembro não.

Está escrito o nome dele associado a ‘despesas referentes a pagamento de serviços contábeis’.

Se tá aí escrito é porque foi ele, risos, mas eu não lembro não.

Nessa campanha, além desse material gráfico, você fez algum outro tipo de campanha?

Fiz mídia, fiz pelo meio Facebook, pelo meu WhatsApp, minha família me ajudou.

Você é funcionária do PSL?

Sou sim.

Qual é a sua função no PSL estadual?

Sou da parte administrativa. Sou secretária.

FSP

Comentários

comentários

Veja também