Carlos Lima
Hoje dia 20/09/2019 às 08:31:59

Economia
Carlos Lima | Publicado em 27/05/2019 às 10:29:46

Fiat Chrysler e Renault avaliam fusão de US$35 bilhões

Fiat Chrysler e Renault avaliam fusão de US$35 bilhões (Foto: Luca Bruno/AP)

A Fiat Chrysler apresentou uma proposta de fusão de iguais com a Renault nesta segunda-feira para criar a terceira maior montadora de veículos do mundo e enfrentar os custos de desenvolvimento de novas tecnologias e mudanças nas regulamentações do setor.

Se a proposta seguir adiante, a aliança de mais de 35 bilhões de dólares vai alterar o cenário do mercado para rivais que incluem General Motors e PSA Group, que até recentemente mantiveram negociações não concluídas com a Fiat Chrysler (FCA). O negócio também pode incentivar novas transações semelhantes.

A Renault afirmou que está estudando a proposta do grupo ítalo-americano com interesse e que considera a oferta como amigável.

As ações da ambas as empresas saltaram mais de 10 por cento, com investidores dando boas vindas a um grupo automotivo que produzirá mais de 8,7 milhões de veículos por ano e que poderá ter economias de custos anuais de 5 bilhões de euros.

A união, se bem sucedida, criará o terceiro maior grupo de veículos do mundo, atrás da japonesa Toyota e da alemã Volkswagen.

Mas analistas alertaram sobre grandes complicações, incluindo a aliança atual da Renault com a Nissan, o papel do Estado francês, que é o maior acionista da Renault, e potencial oposição de políticos e trabalhadores a cortes de custos.

“O mercado vai avaliar com cuidado as sinergias apresentadas uma vez que muito já foi prometido antes e não houve uma única fusão de iguais no setor que já tenha sido bem sucedida”, disse o analista Arndt Ellinghorst, da Evercore ISI.

Com estas sensibilidades em mente, a FCA propôs uma fusão toda em ações que ficará sob uma holding holandesa. Depois de um dividendo de 2,5 bilhões de euros aos atuais acionistas da FCA, os investidores de ambas as empresas terão cada qual metade da companhia combinada. A família Agnelli controla 29 por cento da FCA.

O grupo combinado será presidido pelo diretor dos investimentos da família Agnelli, John Elkann, afirmaram fontes com conhecimento do assunto à Reuters. Enquanto isso, o presidente do conselho de administração da Renault, Jean-Dominique Senard, provavelmente será presidente-executivo da companhia.

O vice premiê italiano, Matteo Salvini, afirmou que a fusão pode ser boa notícia se ajudar a FCA a crescer, mas é crucial que o negócio preserve empregos. Ele não comentou sobre a participação de 15 por cento do governo francês na Renault, mas um importante parlamentar no partido governista Liga afirmou que Roma pode também querer uma participação na nova empresa para equilibrar a fatia detida por Paris.

Em carta aos funcionários vista pela Reuters, o presidente-executivo da FCA, Mike Manley, alertou que a fusão com a Renault pode levar mais de um ano para ser concluída.

Reuters

Comentários

comentários

Veja também