Carlos Lima
Hoje dia 17/11/2018 às 15:20:16

Economia
Carlos Lima | Publicado em 21/05/2018 às 09:45:15

O Banco Central triplica oferta de dólares no mercado nesta 2ª feira

O Banco Central triplica oferta de dólares no mercado nesta 2ª feira Oferta de swaps será triplicada nesta 2ª feira

Nesta 2ª feira (21.mai.2018) o Banco Central vai irrigar ainda mais o mercado com dólares para tentar conter a forte valorização do câmbio. O aumento da intervenção do BC ocorre em meio a uma escalada da moeda americana frente ao real. Na 6ª feira, dólar encerrou negociado a R$ 3,74, maior cotação desde março de 2016. Em uma semana, teve valorização de quase 4%.

O banco anunciou na última 6ª feira (18.mai) que iria triplicar sua oferta de novos contratos dos chamados swaps cambiais. Das 9h30 às 9h40, serão disponibilizados 15 mil contratos, no valor total de US$ 750 milhões. Em seu comunicado, o banco também abriu margem para intervenções futuras ao afirmar que as ofertas de swaps poderão ser revisadas caso julgue necessário. Eis a íntegra do documento.

Maio Turbulento

Desde o início do mês o BC vem ampliando sua presença no mercado para conter a volatilidade do dólar.

No último dia 2, a autoridade monetária anunciou que renovaria de 113 mil contratos com vencimentos em 1º de junho. No total, os swaps somavam US$ 5,6 bilhões. Além disso, o banco também informou que a oferta de 1 número de contratos superior ao necessário para cobrir a renovação.

Já em 11 de maio o BC voltou a alterar suas operações e anunciou a separação de suas ofertas de swaps. Ao invés de 8.900 contratos em uma rodada, o BC passou a realizar duas operações. A 1ª envolvia a rolagem de 4.225 contratos, equivalente a US$ 211,3 milhões, e que não sofrerá alterações na próxima oferta.

Já a 2ª operação ofertava 5 mil contratos com o objetivo de injetar mais dinheiro no sistema. O esquema vigorou até a última 6ª feira (19.mai).

Com a mais nova mudança de estratégia, a projeção do total de contratos negociados no mercado até o fim do mês passou de US$ 3 bilhões para US$ 6,5 bilhões.

Reservas Internacionais

Mesmo com os problemas fiscais do país nos últimos anos, o Banco Central sustenta grande margem para fazer frente à volatilidade do câmbio. As reservas internacionais do Brasil, espécie de fundo do BC para momentos de instabilidade no mercado, se mantêm próximas aos maiores níveis dos últimos 20 anos.

De acordo com dados da autoridade monetária, em 2 de maio, quando anunciou maior intervenção no câmbio, o BC dispunha de US$ 379,5 bilhões em reservas. Na última 5ª feira, o dado mais atualizado do banco, o valor acumulado era de US$ 380,9 bilhões.

O maior valor já atingido pelas reservas foi observado em 8 de setembro de 2017, quando o país acumulava US$ 383,6 bilhões na conta.

Argentina x Brasil: Realidades Distintas

A recente valorização do dólar provocada pela fuga de capitais atinge as principais economias emergentes. Mas na Argentina, o cenário é muito mais negativo. O sistema financeiro de lá funciona de maneira semelhante ao brasileiro. A compra de dólares é vista como uma espécie de proteção dos investidores ao risco, já que a divisa americana é considerada uma das mais seguras do mundo.

Com isso, o mercado de câmbio é uma espécie de termômetro da atividade econômica. Com maior risco, a demanda por dólar sobe e por consequência a cotação da moeda também. Esse processo gera uma pressão inflacionária extra, aspecto que a equipe econômica do presidente argentino Mauricio Macri vem tentando controlar nos últimos anos, até agora em vão.

De maneira diferente do Brasil, que conta com índices de inflação abaixo do piso da meta do governo, na Argentina a alta de preços gira em torno dos 20%, enquanto a meta estabelecida para este ano é de 15%. As incertezas econômicas de lá potencializaram os efeitos no câmbio, gerando 1 fluxo de saída de capitais muito elevado.

Mesmo sustentando reservas internacionais próximas aos recordes históricos, na casa dos US$ 50 bilhões, o governo Macri coleciona deficits fiscais consecutivos. A condição não vem de agora: nos últimos 117 anos, a Argentina registrou deficits em 107 deles. Apenas entre 2004 e 2007 a economia local apresentou superavit.

Em meio a tudo isso, o BC argentino aumentou as taxas de juros de referência de 33,25% para 40% algumas semanas atrás. Era mais uma tentativa de conter a saída de dólares, mas o efeito da decisão foi momentâneo e o peso argentino voltou a se desvalorizar. Na última 2ª feira (14.mai), o dólar chegou a ser cotado a 25 pesos argentinos, o maior valor na história.

Entenda os Swaps Cambiais

O swap é 1 contrato firmado entre o BC e 1 investidor. O negócio prevê a venda de dólares e estabelece a troca de rentabilidades no final do período.

Nas operações, o BC oferece os dólares no mercado sob a garantia de que, depois de vencido o contrato, ele pagará o valor de oscilação do câmbio. Do outro lado, o investidor se compromete a pagar a diferença dos juros sobre o valor durante o período de validade do ativo. A referência nesse processo é o DI, que possui taxa próxima à Selic.

Como as operações envolvem uma garantia das partes, a compra do dólar no mercado à vista acaba desnecessária, o que diminui a pressão sobre a moeda norte-americana.

FERNANDO PIVETTI

Comentários

comentários

Veja também