Carlos Lima
Hoje dia 20/05/2018 às 21:50:18

Economia
Carlos Lima | Publicado em 08/05/2018 às 11:12:16

Petrobras tem lucro líquido de R$ 6,961 bilhões

Petrobras tem lucro líquido de R$ 6,961 bilhões Daniel Silveira

A Petrobras registrou lucro líquido de R$ 6,961 bilhões no 1º trimestre de 2018, alta de 56% frente ao mesmo período do ano passado (R$ 4,45 bilhões) e o melhor resultado dos últimos 5 anos.
Trata-se do maior lucro nominal desde o 1º trimestre de 2013, quando petroleira registrou ganhos de R$ 7,69 bilhões, segundo dados da provedora de informações financeiras Economatica. Este é também o melhor resultado trimestral desde o início a Lava Jato, cuja primeira operação foi realizada em março de 2014.
No 4º trimestre de 2017, a estatal tinha registrado prejuízo líquido de R$ 5,477 bilhões. No consolidado de 2017, a Petrobras teve prejuízo líquido de R$ 446 milhões, acumulando 4 anos consecutivos de perdas.
“São resultados bem robustos”, avaliou o presidente da companhia, Pedro Parente, ao comentar os resultados. Questionado se a Lava Jato ficou para trás, o executivo se limitou a dizer que “a empresa hoje é uma empresa muito melhor preparada”.

As vendas da Petrobras cresceram 9% no 1º trimestre ante os 3 primeiros meses de 2017, para R$ 74,46 bilhões. Na comparação com o 4º trimestre, entretanto, houve queda de 3% na receita.
Segundo a Petrobras, o crescimento do lucro no 1º trimestre foi determinado pelos seguintes fatores:

Aumento dos preços internacionais do petróleo, que resultou em maiores margens nas exportações
Ganho de R$ 3,223 bilhões com a venda dos campos de Lapa, Iara e Carcará
Maior lucro com vendas combustíveis e derivados
Maiores margens e volumes na comercialização de gás natural
Menores gastos com ociosidade de equipamentos e redução das despesas

“Estamos cumprindo à risca o que prometemos no nosso plano de negócios anunciado em 2016 e o resultado do primeiro trimestre mostra que as escolhas têm sido acertadas e que o esforço tem valido a pena. Com este resultado, consolidamos a trajetória de recuperação da Petrobras”, destacou Parente em comunicado.
Ao comentar os resultados, Parente disse que o aumento no preço do petróleo contribuiu para o resultado do 1 º trimestre, mas ponderou que “seria totalmente injusto dizer que foi só isso, até porque este resultado de 2013 [maior lucro nominal antes deste ano] foi alcançado com o petróleo a mais de US$ 100 o barril. Então, a gente vê que consegue alcançar um resultado comparável com um preço do barril de petróleo muito mais baixo”, destacou.

Redução do endividamento

A dívida líquida da Petrobras encerrou o 1º trimestre em R$ 270,7 bilhões, ante e R$ 280,7 bilhões em dezembro do ano passado. Em dólares, a queda do endividamento líquido foi de US$ 84,8 bilhões para US$ 81,4 bilhões, representando uma redução de 4%, segundo a estatal.
O lucro de juros antes de juros, impostos, depreciação e amortização (Ebitda) ajustado somou R$ 25,67 bilhões, alta de 2% ante os R$ 25,25 bilhões no primeiro trimestre de 2017.

Para reduzir o nível de alavancagem, a Petrobras tem como meta vender US$ 21 bilhões em ativos no biênio de 2017 e 2018. Na semana passada, a estatal anunciou a abertura do processo para vender o controle das refinarias Abreu e Lima e Landulpho Alves, no Nordeste, e Alberto Pasqualini e Presidente Getúlio Vargas, no Sul.

O diretor financeiro da companhia, Ivan Monteiro, enfatizou que o programa de parcerias e desinvestimentos viabilizou a redução da dívida, garantindo o resultado positivo neste primeiro trimestre. “Se a companhia se mantivesse com a dívida muito alta, ela seria praticamente toda impactada pelo pagamento de juros”, disse.

Distribuição de R$ 652,2 milhões para acionistas
Com o lucro líquido registrado no primeiro trimestre de 2018, a Petrobras anunciou que irá remunerar todos os seus acionistas no valor de R$ 0,05 por ação, igualmente para preferenciais e ordinárias. A distribuição para os acionistas não era feita pela Petrobras desde 2014.

O valor a ser distribuído para os acionistas será de R$ 652,2 milhões e será pago em 25 de maio de 2018 “na proporção da participação de cada acionista e provisionado nas demonstrações contábeis do 2º trimestre de 2018, com base na posição acionária de 21 de maio de 2018”, informou a Petrobras.

A participação dos acionistas será paga como juros sobre capital próprio, não como dividendos. Segundo Parente, isso é devido a “uma questão de conveniência por aspectos tributários”.

“No final do ano, se apura o resultado final, verifica o que se antecipou, e compensa isso nos dividendos que serão pagos”, esclareceu o diretor financeiro Ivan Monteiro.

No final de abril, os acionistas da Petrobras aprovaram uma mudança no estatuto da petroleira que define o pagamentos de dividendos intercalares ou dos juros sobre o capital próprio a cada trimestre.

Ações tem alta de 40% no ano

Perto das 10h30, as ações preferenciais da Petrobras subiam 1,81%, enquanto que o Ibovespa tinha alta de 0,56%. Na véspera, Petrobras PN fechou em alta de 1,71%, acumulando valorização de 40% no ano.

Em valor de mercado, a Petrobras está avaliada atualmente em R$ 311 bilhões, ante R$ R$ 216 bilhões no final de 2017. A máxima histórica foi registrada no dia 21 de maio de 2008, quando a estatal atingiu na Bovespa valor de mercado de R$ 510,3 bilhões, segundo a Economatica.

Produção e vendas de combustíveis

A produção total de petróleo e gás natural da Petrobras no 1º trimestre somou 2,68 milhões de barris de óleo equivalente por dia (boed), sendo 2,582 milhões no Brasil, 4% inferior na comparação com o mesmo período de 2017. Segundo a estatal, a queda refletiu, principalmente, as paradas programadas e o desinvestimento em Lapa.
Já a produção de derivados caiu 7%, enquanto a venda doméstica recuou 9% na comparação anual, impactada, segundo a Petrobras, pelo “aumento da importação de terceiros e perda de participação de mercado da gasolina para o etanol”.
Em relação ao trimestre imediatamente anterior, houve queda no volume de vendas de gasolina e diesel. A petroleira destacou, entretanto, que teve recuperação da participação no mercado de diesel, que saiu de 74% em 2017 para 79% em abril de 20181. “Na gasolina, as importações registraram pequena elevação, mas a participação de mercado da companhia aumentou, de 83% em 2017 para 86% em abril de 2018”, acrescentou.

Segundo Parente, a nova política de preços da Petrobras permitiu à companhia se tornar mais competitiva em relação aos preços praticados no mercado internacional. Mais uma vez, ele ressaltou que o preço da gasolina cobrado nos postos é muito superior ao praticado pela estatal às distribuidoras por razões alheias à atuação da empresa. “Nós não somos formadores de preços. Somos apenas um agente entre vários”, disse.

Darlan Alvarenga e Daniel Silveira

Comentários

comentários

Veja também