Carlos Lima
Hoje dia 19/11/2017 às 12:04:21

Economia
Carlos Lima | Publicado em 25/10/2017 às 17:06:09

TEMER ENTREGA O PRÉ-SAL A UM CENTAVO O LITRO, DIZ PETROLEIROS

TEMER ENTREGA O PRÉ-SAL A UM CENTAVO O LITRO, DIZ PETROLEIROS A fatura do golpe parlamentar que arruinou a democracia e a economia do Brasil será pago nesta sexta-feira, 27, com a doação do pré-sal brasileiro a empresas internacionais

A Federação Única dos Petroleiros (FUP) denunciou nesta quarta-feira, 25, que nos leilões de oito grandes áreas do pré-sal que o governo de Michel Temer deverá fazer nesta sexta-feira, 27, o litro do petróleo sairá a R$ 0,01 para as multinacionais. As áreas exploratórias contêm pelo menos 12 bilhões de barris de petróleo de altíssima qualidade.

O governo Temer espera arrecadar R$ 7,75 bilhões em bônus de assinatura com as duas rodadas de entrega do pré-sal, o que custará às multinacionais menos de R$ 1,50 o barril do petróleo. “Vão entregar o pré-sal por um preço menor que o de uma garrafinha de refrigerante”, alerta o coordenador da FUP, José Maria Rangel. Como o barril contém 159 litros de petróleo, o valor sairá a um centavo por litro. Zé Maria ressalta que o povo brasileiro ainda terá que pagar pela importação de derivados. “As multis vão levar nosso petróleo pra fora do país e ainda teremos que importar derivados a um custo muito mais alto”, afirma.

Os percentuais mínimos de óleo que as petrolíferas terão que ofertar à União variam entre 10,34% e 22,87%, menos da metade do que foi arrecadado no leilão de Libra, quando o Estado brasileiro garantiu 41,65%. Ou seja, além de colocar em xeque a soberania do país, o governo ainda privilegia as multinacionais, abrindo mão dos recursos que garantiria com maiores excedentes do petróleo.

O pré-sal brasileiro, lembra a FUP, é tão estratégico e lucrativo que já compete com o Oriente Médio. Um único poço pode produzir cerca de 40 mil barris por dia, mais do que produz em média um campo inteiro nas demais bacias exploratórias. “O pré-sal é onde todo mundo quer estar”, declarou recentemente o presidente da Shell no Brasil, André Araújo.

“Todo mundo, menos Pedro Parente, o entreguista que Temer colocou no comando da Petrobrás para privatizar a empresa e abrir mão do pré-sal. Ele chegou a declarar publicamente que houve um ‘endeusamento’ destas reservas e defendeu o fim da obrigatoriedade da Petrobrás como operadora única”, diz a federação em material à imprensa.

O prejuízo para o povo brasileiro será ainda maior em função do desmonte que os golpistas fizeram na Lei de Partilha, quando tiraram da Petrobrás a função de operadora exclusiva do pré-sal e a participação mínima de 30% nos campos licitados. Segundo estimativas da assessoria econômica da FUP, a nação amargará perdas de cerca de R$ 500 bilhões em arrecadação sem a participação mínima que a Lei garantia à estatal nos campos que serão leiloados.

Só com royalties e recursos gerados ao Fundo Social para a Saúde e Educação, o Estado deixará de arrecadar R$ 25 bilhões sem a participação da Petrobrás. Isso equivale a 17 vezes o orçamento anual da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ), que sofre os impactos do desmonte da educação pública.

Leonardo Attuch

Comentários

comentários

Veja também