Carlos Lima
Hoje dia 14/11/2018 às 01:21:25

Educação
Carlos Lima | Publicado em 07/07/2018 às 09:28:04

Emoções e profundidade podem ajudar a melhorar o jornalismo, diz relatório

Emoções e profundidade podem ajudar a melhorar o jornalismo, diz relatório

Em relatório para a Rede de Soluções para o Jornalismo, a repórter Amanda Ripley escreve sobre como jornalistas podem usar novas técnicas em suas reportagens –as que são melhores equipadas para lidar com o “tipo de divisão que a América tem experimentado”, que os pesquisadores chamam de “conflito intratável”.

Ripley gastou 3 meses entrevistando “pessoas que conhecem intimamente conflito e desenvolveram maneiras criativas de ultrapassá-lo –psicólogos, mediadores, advogados, rabinos e outras pessoas que sabem como interromper narrativas tóxicas e fazer com que as pessoas revelem suas verdades profundas”. Uma versão condensada de sua história foi publicado no Guardian.

O que precisamos fazer, argumenta Ripley, é “complicar a narrativa”, contando histórias mais complexas que pessoas se abrirão e contarão. “Complexidade leva a notícias mais completas e verdadeiras.

Depois, aumenta a probabilidade de que seu trabalho vá importar, particularmente se for sobre uma questão polarizante”, ela escreve.

“Quando pessoas encontram complexidade, elas se tornam mais curiosas e menos fechadas a novas informações. Elas escutam, em suas próprias palavras”.

Eis algumas das dicas de Ripley sobre como jornalistas podem criar narrativas mais profundas:

“Defina um tom para a complexidade” perguntando questões que não têm respostas fáceis de sim ou não; não consolide a conversa muito facilmente. Ripley fez com que 2 mediadores profissionais assistissem a um segmento de uma hora no qual Oprah Winfrey entrevistou eleitores do Michigan –metade republicanos e metade democratas– sobre o Trump.”

Sua primeira questão foi sobre como Trump estava fazendo seu trabalho até agora.

“‘É uma questão relativamente fechada’, disse Cobb. Um melhor início seria, ‘O que está nos dividindo?’ Desta maneira, ‘a conversa se torna sobre divisão, e Trump não se torna o buraco negro onde toda a complexidade será arremessada’.

Então veio a primeira resposta que Winfrey conseguiu –do Tom:

‘A cada dia eu o amo mais. Todo dia. Eu ainda não gosto dos seus ataques, seu ataques no Twitter, e se você me permitir, em outros políticos. Eu não acho que seja apropriado. Mas, ao mesmo tempo, suas ações falam mais alto que palavras. E eu amo o que ele está fazendo para este país. Amo’.

Ouvindo isso, Winfrey tornou-se para a mulher junto a Tom para solicitar sua opinião (polar contrária), sem fazer nenhum comentário.

Ambos os mediadores avançaram em Winfrey por falhar em responder Tom. Foi uma oportunidade perfeita, disse Cobb. ‘Eu teria dito, ‘Meu deus, Tom, eu não sabia de início que teríamos este tipo de complexidade, e eu o congratulo porque é tão fácil dizer Sim ou Não , mas você na verdade disse duas coisas ao mesmo tempo’.

No primeiro minuto, Winfrey poderia ter adicionado um tom pela complexidade, o que poderia ter sido mais verdadeiro e mais interessante. A maioria de nós tem mais de uma história, assim como Tom.

Winfrey poderia ter exaurido sua complexidade, disse Winslade, ao perguntar algo como ‘Então, por um lado, você o ama mais e mais, e por outro, você não gosta de algumas coisas que ele tem feito. Conte-me mais sobre o que você não gosta nestes ataques’.

Vá além das queixas ou ‘posições’ das pessoas, e fale sobre valores e crenças fundamentais.

Pessoas são movidas por seus instintos e emoções, não pela razão, conforme explica o psicólogo social da New York University [Jonathan] Haidt em ‘The Righteous Mind’, citando pesquisas de décadas passadas.

Na verdade, interesses pessoas superficiais são um bom previsor de comportamentos políticos. (Nota para jornalistas: pode ser o tempo para parar de fazer notícias sobre como eleitores do Trump no Cinturão de Ferro votam contra seus interesses econômicos; isso é uma notícia com tanta profundidade quanto a que revela que quem vai à praia não usa protetor solar.

Ao invés disso, Haidt identifica seis fundações morais que formam a base do pensamento político: cuidado, justiça, liberdade, lealdade, autoridade e santidade.

Estes são os bilhetes de outro para a condição humana. Liberais (e membros liberais da mídia) tendem a ser muito conscientes de 3 destes fundamentos: cuidado, justiça e liberdade.

Conservadores correspondem especialmente a lealdade, autoridade e santidade, mas eles ligam para todos os 6. E políticos conservadores usam todos, argumenta Haidt.

Conservadores (e a mídia conservadora, eu adicionaria) tem uma vantagem sistemática como resultado. Eles podem motivar mais pessoas mais frequentemente porque eles atingem maiores notas.

(Note como líderes democráticos ainda não falam com frequência sobre a deslealdade de Trump para com a América, seus membros do gabinete, suas esposas, não nestes termos, apesar de serem bombardeados com evidências para tal deslealdade.

Ele reclamam com maior frequência sobre injustiça, indecência e falta de delicadeza, porque são as notas que eles mais gostam de tocar).

Se jornalistas querem aumentar suas audiências, eles precisam falar para todos os fundamentos da moral. Se qualquer um de nós quer entender o que está por trás da raiva política de alguém, precisamos seguir notícias nestas raízes morais –assim como os mediadores.

“Lide com a entrevista como se fosse uma arte, uma que [você] nunca para de aprender“.

“Ninguém tem ouvido às minhas entrevistas como um artigo impresso e me deu feedback –nunca. Eu aprendi na tentativa e erro, que é como estudar uma língua sozinho“, escreve Ripley. “Você pode se tornar melhor, mas demorará muito“. Por exemplo, escute por “signposts“.

“Signposts incluem palavras como ‘sempre’ ou ‘nunca’, qualquer sinal de emoção, o uso de metáforas, afirmações de identidade, palavras que são repetidas ou qualquer sinal de confusão ou ambiguidade. Quando você escuta uma destas pistas, identifique-a explicitamente e peça por mais.

Em determinado ponto na conversa no Michigan, um homem chamado Matt explicou seu voto no Trump da seguinte maneira: ‘Nós queríamos alguém para ir e mudar as coisas. Estamos cansados do status quo…’

Em resposta, Winfred perguntou: ‘Na sua mente, o que mudou?’

Esta foi uma boa pergunta, nossos mediadores experts disseram, porque mostrou curiosidade sobre a metáfora do Matt. Pessoas muitas vezes usam metáforas quando elas sentem emoções; investigando estas metáforas pode ajudar a escavar a retórica e se aprofundar para uma verdade mais atraente.

Até melhor, Wilade disse, teria sido perguntar o que não foi mudado –para adotar a metáfora e Matt e desafiá-lo com ela. Para perguntar, em essência, ‘Existem algumas partes do governo Trump que perpetuam o status quo?’

Nieman Lab – Sarah Weinman

*Laura Hazard Owen é vice-editora do Nieman Lab. Ela já foi editora-geral do Gigaom, onde escreveu sobre a publicação de livros digitais. Ela tornou-se interessada em paywalls e outros assuntos do Lab quando escrevia na paidContent.

O texto foi traduzido por Renata Gomes. Leia o texto original em inglês (link).

Comentários

comentários

Veja também