Carlos Lima
Hoje dia 24/09/2017 às 22:51:11

Educação
Carlos Lima | Publicado em 28/06/2017 às 16:58:02

Indígena cursa medicina após vencer ‘tabu’ familiar

Indígena cursa medicina após vencer ‘tabu’ familiar O boa-vistense de 23 anos da etnia macuxi sonha concluir os estudos e voltar para atuar na pequena cidade onde cresceu.

O estudante Igor Mateus Pereira, de 23 anos, cresceu às margens de uma tríplice fronteira (Brasil, Venezuela e Guiana) vendo profissionais de saúde passarem por sua casa para atender à população indígena. O sonho de ser médico surgiu assim na pequena Uiramutã, em Roraima, mas só ficou mais perto da realidade depois que ele conseguiu quebrar o tabu do pai, um motorista da Fundação Nacional de Saúde (Funasa), que não gostava nada da ideia de ver os filhos deixarem a cidade.

Igor traçou estratégias e não desistiu do sonho, que teve em seus capítulos mais recentes uma batalha para conseguir a vaga na Universidade Federal de Roraima (UFRR). No último ano em que fez cursinho pré-vestibular, Igor baixou aplicativos voltados para o Exame Nacional do Ensino Médio (ENEM).

“2015 foi o ano em que eu mais me destaquei no cursinho. Resolvia questões de manhã até ir dormir, ficava com o celular no ônibus, vi muitas videoaulas. No dia em que baixei o aplicativo, procurei logo as áreas que me identifico, sempre gostei de história e geografia. À medida em que fui pontuando, as questões foram ficando mais complexas. Eu madrugava jogando, às vezes”, lembra o jovem.

“Não parei de jogar depois que passei no vestibular, gosto mesmo de relembrar o conteúdo.”

Oportunidade

O jovem roraimense nasceu na capital do estado, mas foi criado no município mais ao norte do Brasil, Uiramutã. Filho de mãe indígena, tem muito orgulho de pertencer à etnia Macuxi.

“Sempre estudei em escola pública. Quando eu tinha 10 anos, minha mãe passou em um concurso público e foi convidada para ser diretora de uma escola indígena. Eu descobri um mundo novo, minha etnia e cultura. Sempre gostei de participar dos eventos, danças e brincadeiras, mas não consegui aprender muito bem o idioma”, lamenta.

Igor é o mais velho de cinco filhos e teve que convencer o pai, Wilson Oliveira, de que precisava ir para Boa Vista para tentar o ensino superior.

“Eu quebrei um tabu entre meus irmãos. Meu pai tinha muito medo de me mandar para a cidade grande, inventava desculpas para eu não ir depois de concluir o ensino médio: dizia que eu não tinha roupa para ir às aulas do cursinho. Eu o convenci de que poderia usar bermuda em alguns dias”, diverte-se.

“Avisei a vila toda que ia embora e não disse nada ao meu pai. Quando ele me confrontou, eu disse que precisava dessa oportunidade e vim para Boa Vista.”

A verdade é que Wilson tinha medo que o filho passasse fome. Igor não desistiu: conseguiu carona para a capital e um quarto na casa de conhecidos para morar de favor. Entrou no carro de um amigo e enfrentou a viagem de seis horas de estrada de terra para tentar uma formação superior.

“A partir do momento em que meu pai me viu evoluindo nos estudos, mudou de pensamento”, garante Igor. Na época da mudança, o segundo filho do casal, Vinícius, estava no primeiro ano do ensino médio. O pai já falava em mandar o garoto para a capital nessa época. O rapaz mora atualmente em Boa Vista e sonha, como o irmão, em ser médico.

Planos futuros

Igor cresceu vendo médicos, dentistas e enfermeiros dentro de casa. O pai era motorista da Funasa e levava equipes de profissionais da área da saúde para atender a população de Uiramutã.

“Eles ficavam conosco, guardavam as vacinas no nosso freezer. Eu sempre conversava com eles, me interessei pelo assunto. Tive também um amigo socorrista que, voltando de um trabalho na área indígena, sofreu um acidente de helicóptero e não resistiu. Decidi pela medicina quando isso aconteceu”, conta o estudante.

O próximo passo de Igor pode se encontrar em sua cidade natal: pretende fazer um estágio em Uiramutã, durante as férias. “Quero ter ideia de como é lidar com cidade pequena, com saúde indígena. Pode ser uma boa oportunidade, ainda mais porque as empresas que trabalham nessas cidades dão prioridade para médicos indígenas”, afirmou.

Clara Campoli

Comentários

comentários

Veja também