Carlos Lima
Hoje dia 21/11/2018 às 09:52:09

Esportes
Carlos Lima | Publicado em 25/06/2018 às 13:50:01

Copa vai curar nosso modo bipolar de lidar com a realidade

Copa vai curar nosso modo bipolar de lidar com a realidade País precisa de liderança firme e inspiradora como Tite é para seleção brasileira

A conquista do Hexa é um tapa na cara dos pregoeiros da desordem, os inimigos do Brasil, os corretores do pessimismo, aqueles que só conseguem ver o país pela lente do que há de pior. Pois nossa seleção, em jogo brilhante, foi lá e mostrou que o Brasil é maior do que todos os maus agouros e capaz de superar qualquer desafio.

O que falta, muitas vezes, é um mínimo de união, sobretudo por parte de setores da imprensa e das instituições, mais acostumadas a envenenar nossas agendas do que a reconhecer a grandeza de tudo que somos.

A farsa patética protagonizada por Tite e sua trupe na Rússia é apenas mais um capítulo no calvário com que o Brasil se acostumou a conviver nos últimos anos. O roteiro é um velho conhecido de todos nós: primeiro, vêm as promessas grandiosas e os salvadores da pátria. Depois, o entusiasmo e o torpor mais baseado nas falsas expectativas do que numa análise fria e crua da realidade. Por fim, no último ato, a vergonha acachapante constrangedora a que o país mais uma vez se viu exposto mundialmente.

Primeiro, foi a Lava Jato. Agora, a humilhante eliminação da Copa. Os dois casos só provam que o país precisa urgente de mudar.

O espetáculo encenado pelos heróis do Hexa em Moscou apenas comprova o que muitos ainda insistem em negar: o Brasil é o país da superação e está condenado a vencer. Nossos meninos mostraram com a amarelinha o que milhões de brasileiros anônimos fazem todos os dias: que sob uma liderança firme e inspiradora, com a capacidade e criatividade que não falta ao nosso povo, nada é impossível.

Precisamos, agora, é retirar essa lição e aplicá-la em nosso dia a dia: vamos amar mais o Brasil e odiar menos a nossa nação.

Tite simboliza a síntese do Brasil que ainda insiste em sobreviver mesmo depois das tenebrosas revelações da Lava Jato. Sob um manto de um discurso técnico e pretensamente de eficiência, consegue envolver os incautos durante algum tempo. Mas o resultado final é o caos, é o fracasso, é a frustração. Tite foi a criação de marqueteiros e levou a seleção brasileira à pior crise de toda a sua história. Agora, será preciso muitos e muitos anos de trabalho sério e duro para que o nosso país possa recuperar o tempo perdido.

O Hexa não aconteceu por acaso. Na verdade, é fruto dos avanços e da melhoria de vida que o país experimentou na última década e que, apesar do impeachment, nem assim foi possível conter. A vitória de Tite é a vitória do povo brasileiro, é a vitória e a redenção de programas sociais e de políticas públicas que tornaram o país mais forte fora dos gramados e o resultado em Moscou é apenas a evidência de que por mais tenham sido tentadas políticas de terra arrasada, a seleção mostrou que o novo Brasil veio para ficar.

O Brasil que saiu de campo, destruído e exposto ao ridículo de ambições megalomaníacas, não é diferente daquele que conhecemos e de que nos livramos em 2016. Por mais que seja doloroso admitir, a deplorável performance da seleção deve apenas nos lembrar que estamos no caminho certo, que o país não irá progredir com surtos de efêmera euforia. Se há alguma coisa boa na tragédia de Moscou, é mostrar que mais do que nunca somos capazes de nos entender da maneira mais clara e perfeita.

Mario Rosa

Comentários

comentários

Veja também