Carlos Lima
Hoje dia 13/11/2019 às 15:11:09

Esportes
Carlos Lima | Publicado em 14/10/2019 às 08:33:28

Jesus: “Não vim preparado para jogar contra o árbitro”

Jesus: “Não vim preparado para jogar contra o árbitro” Jorge Jesus comemora vitória com torcedores na Arena da Baixada — Foto: Alexandre Vidal/CRF

Satisfeito com o resultado, furioso com a arbitragem.

Jorge Jesus não poupou palavras para reclamar da atuação do conjunto comandado por Bráulio da Silva Machado neste domingo na Arena da Baixada. Após a vitória por 2 a 0 sobre o Atheltico-PR, pela 25ª rodada do Brasileirão, o treinador português ironizou que o campeão da Copa do Brasil não foi o único adversário batido:

– Sabíamos que jogo ia ser difícil pela qualidade do Athletico, pelas condições do sintético, jogo completamente diferente. Já viemos preparados. Não vinha preparado para jogar contra duas equipes, contra o árbitro, mas contra o Atlhetico.

Jorge Jesus voltou a reclamar das entradas firmes que seus jogadores têm sofridos nas partidas e também dos cartões amarelos que tiraram Bruno Henrique e Everton Ribeiro do jogo com o Fortaleza, quarta-feira. O que mais tirou o português do sério, no entanto, foi a atuação do VAR em lance que anulou a marcação de pênalti de Léo Pereira em Lucas Silva.

Jorge Jesus comemora vitória com torcedores na Arena da Baixada — Foto: Alexandre Vidal/CRF

Jorge Jesus comemora vitória com torcedores na Arena da Baixada — Foto: Alexandre Vidal/CRF

– Quem toma essas decisões tem que ser penalizado. Não pode tomar uma decisão e nem estar no campo para fazer outras asneiras. Não tem capacidade. Nem sei quem foi, mas não pode andar no VAR. Vai para casa, férias. E para não prejudicar o árbitro, que teve decisão certa, mas foi influenciado pelo VAR. Não pode passar impune. Quando um VAR não tem capacidade com todas as ferramentas que tem, não pode. Não tem capacidade, é como todas as profissões, é para os melhores.

Com a vitória por 2 a 0 em Curitiba, o Flamengo chegou aos 58 pontos no Brasileirão (com 18 vitórias), oito a mais que o vice-líder Palmeiras. O elenco rubro-negro viaja direto da capital paranaense para o Ceará, onde encara o Fortaleza, quarta-feira, às 20h (de Brasília), no Castelão, pela 26ª rodada.

Confira outros trechos da entrevista

JOGO

Jogo de uma dificuldade incrível, depois corrigimos, começamos a jogar dentro do que é habitual da equipe. Mesmo tendo muitas baixas, mas a equipe que quando não pode jogar não perde a competitividade. Isso foi fundamental para alcançar uma vitória e não deixar dúvida nenhuma.

DESFALQUES

Tem sido uma equipe muita ligada uns aos outros. Tivemos a fratura do Rafinha na face, o Arrascaeta, Vitinho, Diego e ainda tem mais um que esqueci (Berrío). Parece casual, mas com muitos passa a não ser casual, passa a ser a forma que os adversários jogam contra o Flamengo. Um é casual, dois pode acontecer, mas cinco com fraturas? Não é sozinho, é contato dentro dos jogadores. Isso que os árbitros têm que penalizar e saber o que está a acontecer.

CARTÕES

Dois amarelos. O Everton no fundo, perto do escanteio, uma falta normal. Cartão amarelo? É muita coincidência junta com o Flamengo, mas a gente continua na luta.

RETORNO À ARENA

Estava aqui no meu primeiro jogo, foi o jogo mais difícil que eu tive como treinador do Flamengo e portanto estava na cabeça como podíamos não sofrer tanto e dar a volta nesta equipe. Jogamos com raça, quando tivemos qualidade e tática conseguimos. Fizemos dois gols. Não sei se a penalidade, para mim foram duas, a do Vitinho também. Mas justifica.

Athletico-PR x Flamengo Arena da Baixada — Foto: Matheus Sebenello / Foto FC

Athletico-PR x Flamengo Arena da Baixada — Foto: Matheus Sebenello / Foto FC

LUCAS SILVA

O Lucas foi o criador da penalidade, deu uma assistência para o Vitinho que ele não fez na primeira parte. Só esses dois lances justificam minha aposta nele. Mais um jovem da base do Flamengo, como já tinha lançado o João Lucas na posição do Rafinha. Portanto vamos nos moldando com os jogadores que temos e pronto. E vamos esperar a volta do Rodrigo Caio e Gabigol da Seleção.

TABU NA ARENA

Mostra a dificuldade de ganhar aqui. Mas são só três pontos importantes para a caminhada. Mas nem tudo foi perfeito neste jogo. Ficamos sem três para o próximo, Bruno Henrique, Everton Ribeiro e Rafinha. Vamos ter que agregarmos uns aos outros como temos feito. Isso foi mostrado e justificado aqui com quem entrou. Terminamos com três da base, em uma competição decisiva não é fácil ter que arriscar sem saber muito bem o que pode acontecer, já que é a primeira vez ao lançar. Mas têm dado respostas positivas.

MÉRITO DO FLA

Equipe tem uma qualidade muito boa quando tem posse de bola. Hoje não jogou tão bem como no último jogo, mas normal nesse sintético. Apesar de ser um bom sintético, deixa o jogo mais lento, mais contato, e tira a qualidade técnica. Hoje o Flamengo, sabendo uma forma de jogar diferente, tentou e conseguiu fazer dois gols, podia ter feito mais. O Athletico também teve uma grande oportunidade na área em uma grande defesa do Diego (Alves). E pronto. Tudo isso facilitou como marcar, controlasse o resultado. Não é fácil marcar gol no Flamengo. Equipe tem vindo a melhorar, quando não tem a bola está muito forte.

VAR

Sempre fui a favor do VAR, sempre. Acho que vem para ajudar o futebol. O protocolo é que tem que ser melhorado. Este ano não porque os campeonatos no mundo todo estão em andamento. Mas a Uefa, a Fifa, tem que ver a responsabilidade. Na minha opinião, fazer reuniões e convocar treinadores para dar opinião sobre protocolo. Está muito confuso. Hoje VAR está apitando, então manda o árbitro para casa, não precisa dele. O VAR não é para isso, é para melhorar as decisões do árbitro, não para decidir. Mas tem muito VAR que confunde e prejudica o árbitro.

Thiago Lima

Comentários

comentários

Veja também