Carlos Lima
Hoje dia 24/08/2019 às 17:28:31

Esportes
Carlos Lima | Publicado em 08/08/2019 às 09:15:41

No arremesso do peso, Brasil conquista primeiro ouro do atletismo no Pan de Lima

No arremesso do peso, Brasil conquista primeiro ouro do atletismo no Pan de Lima Wagner Carmo/Panamerica Press/CBAt

 O brasileiro Darlan Romani conquistou a medalha de ouro no arremesso do peso, na noite desta quarta-feira (7), e bateu o recorde pan-americano da prova após alcançar 22,07 metros na última tentativa.

A marca anterior era 21,69 m, obtida pelo jamaicano O’Dayne Richards no Pan de Toronto.

A medalha do catarinense de 28 anos é a primeira de ouro do Brasil no atletismo nos Jogos Pan-Americanos de Lima. Há quatro anos, foram apenas duas na modalidade.

Darlan vive ótima fase e em junho alcançou 22,61 m, recorde sul-americano e décimo melhor arremesso da história em todo o mundo. Na prova de hoje, o atleta conseguiu as seis melhores marcas entre todos os competidores.

100 METROS

Mais cedo, o velocista Paulo André Camilo de Oliveira, 20, conquistou a medalha de prata para o Brasil nos 100 m rasos. Primeiro medalhista do país na prova masculina de 100 m rasos dos Jogos Pan-Americanos em 20 anos, ele deixou a pista com um sentimento duplo.

O brasileiro chegou sete centésimos atrás do experiente americano Michael Rodgers, 34. O bronze ficou com Cejhae Greene, de Antígua e Barbuda.

“Estou insatisfeito, vim para o ouro, mas feliz porque fiz uma boa prova e dei o meu máximo. Hoje ele [Rodgers] foi melhor do que eu e tenho que respeitá-lo, porque é um grande velocista”, disse Paulo André, que recebeu a prata das mãos de Carl Lewis, 58, lendário atleta americano ganhador de dez medalhas olímpicas.

Com 10s16, o brasileiro ficou distante da sua melhor marca, 10s02, que já registrou duas vezes, a última delas em abril deste ano.

Ele tem a expectativa de em breve conseguir quebrar a barreira histórica dos 10 segundos, algo que nenhum atleta sul-americano fez até hoje.

O melhor tempo do país na história são os 10 segundos cravados de Robson Caetano, em 1988. “É um dos meus próximos objetivos. Em toda prova eu entro para fazer essa marca, deixou de ser um sonho para ser uma realidade”, afirmou.

FolhaPress SNG

Comentários

comentários

Veja também