Carlos Lima
Hoje dia 18/08/2017 às 01:14:34

Estadual
Carlos Lima | Publicado em 13/06/2017 às 09:29:01

CHARGISTA É DEMITIDO DO JORNAL A TARDE POR DESENHAR GEDDEL

CHARGISTA É DEMITIDO DO JORNAL A TARDE POR DESENHAR GEDDEL O chargista Osmani Simanca relata sua demissão no jornal A Tarde (mais antigo da Bahia - fundado há mais de 100 anos), "sem justa causa", por desenhar o ex-ministro Geddel Vieira Lima agarrado ao prédio

Em sua página no Facebook, o chargista Osmani Simanca relata sua demissão no jornal A Tarde (mais antigo da Bahia – fundado há mais de 100 anos), “sem justa causa”, por desenhar o ex-ministro Geddel Vieira Lima agarrado ao prédio (em construção na realidade) que motivou sua queda da Secretaria de Governo de Michel Temer

Serei sempre muito grato pela oportunidade que tive, quando há mais de 15 anos comecei a trabalhar em “A Tarde”, periódico com uma tradição jornalística de mais de 100 anos. Foi sem dúvida uma honra publicar, aprender e aperfeiçoar-me com meus caros colegas e amigos. Durante minha estadia no diário ganhei importantes prêmios nacionais e internacionais e meus desenhos publicados originalmente em “A Tarde” foram, frequentemente, reproduzidos por outros jornais e revistas ao redor do mundo.

Depois da penúltima mudança na direção do jornal comecei a ser questionado sobre o conteúdo das minhas charges, sendo algumas delas censuradas. Estes desenhos proibidos foram reproduzidos com grande sucesso em outras mídias. Havia muito tempo que textos e matérias completas dos meus colegas eram cortados, mas não a charge. A charge era um pequeno oásis num deserto de tesouras.

É difícil ter liberdade sem independência econômica. A maior parte da imprensa sempre dependeu da propaganda dos governos. Isto não seria problema caso estes governantes não pressionassem jornais e jornalistas, e se jornalistas e jornais democráticos não se deixassem pressionar para escrever elogios ou críticas desmerecidas. Nosso rumo deve ser sempre definido pela ética e pela virtude, coisas raras nestes tempos sombrios, cheios de ódio e intolerância. Dizia Joseph Pulitzer: “Com o tempo, uma imprensa cínica, mercenária, demagógica e corrupta formará um público tão vil como ela mesma”.

Com a última mudança na direção do jornal, as pressões aumentaram ao ponto que tive que explicar o que era uma charge, e qual era o papel da sátira política em uma sociedade democrática e na imprensa livre. Fui indagado sobre quem me dava as pautas ao que respondi que as pautas eram os fatos, os quais pesquisava em profundidade, consultando várias fontes e colocando minha opinião na forma do jornalismo gráfico, caracterizado pela charge ou caricatura política. Fui advertido para não mexer em determinados temas e personagens, uma tarefa impossível no meio da putrefação política e ética em que se encontra o Brasil.

Quero agradecer às demonstrações de solidariedade de meus colegas, amigos e leitores por referencia a minha demissão sem justa causa e cuja verdadeira causa, de maneira resumida, expliquei neste texto.

Termino aqui, com este pensamento de Eurípedes:

“Todo o céu é da águia o caminho,

Toda a terra é do homem nobre a pátria”

Osmani Simanca

 Leonardo Attuch

Comentários

comentários

Veja também