Carlos Lima
Hoje dia 20/09/2018 às 12:53:46

Estadual
Carlos Lima | Publicado em 14/11/2016 às 15:59:36

DIRIGENTES BAIANOS APROVAM MUDANÇAS NO PT

DIRIGENTES BAIANOS APROVAM MUDANÇAS NO PT MUDANÇAS NA ELEIÇÃO PARA PRESIDENTE DO PT

Após dois dias de reunião tensa, o diretório nacional do Partido dos Trabalhadores (PT) decidiu ontem pôr fim às eleições diretas para escolher o presidente nacional da legenda (e os demais componentes do diretório), o chamado Processo de Eleição Direta (PED).

De acordo com a nova regra, os presidentes estaduais passam a ser escolhidos indiretamente.

Na mesma ocasião em que houver eleição direta para os diretórios municipais do PT, serão escolhidos delegados estaduais para participar das votações indiretas.

Esses delegados elegerão, por sua vez, os delegados nacionais, que escolherão o novo comando nacional do partido.

O novo critério foi aprovado pelo Diretório Nacional do PT, por 52 votos contra 27.

O processo de eleição indireta foi defendida pela corrente Construindo um Novo Brasil (CNB), liderada pelo ex-presidente Lula. A eleição acontecerá nos dias 7, 8 e 9 de abril e o novo presidente do PT terá dois anos de mandato.

Em entrevista à Tribuna, o presidente do PT na Bahia, Everaldo Anunciação (que acompanhou a reunião em São Paulo), se mostrou favorável à mudança.

“Surgiu essa pauta dentro do PT em nível nacional, e a gente teve que levar isso a votação. Acreditamos que esse novo formato será menos danoso para a militância, que reivindica voz ativa no PT. E nosso norte hoje é exatamente esse. A militância não vai poder votar, mas terá voz ativa por meio dos municípios. Os militantes poderão dar suas sugestões por meio dos presidentes municipais, que eles escolherão. O PT hoje entende que o momento é de fortalecer a militância e ouvir com muita atenção os movimentos sociais”, disse Everaldo Anunciação. Petista histórico, o deputado federal baiano Valmir Assunção também concorda com o novo formato de escolha do presidente nacional de seu partido. “É um avanço na direção do PT, além de ser um meio de dialogar a conjuntura política, garantir a ampliação e o aprofundamento de debates do partido e do país. Acredito que seja fundamental termos um processo que resgate a participação dos militantes e eleve o conhecimento de todos. Mas precisamos nos afastar dos meios tradicionais de se fazer eleição, para evitar entraves que um pleito acarreta”, considera o parlamentar.

Política livre

Comentários

comentários

Veja também