Carlos Lima
Hoje dia 23/08/2017 às 02:31:37

Estadual
Carlos Lima | Publicado em 24/05/2017 às 11:01:06

PT MINIMIZA CORO DE CORONEL POR CANDIDATURA DE OTTO

PT MINIMIZA CORO DE CORONEL POR CANDIDATURA DE OTTO Otto é o meu pré-candidato ao governo, declara Coronel

O presidente reeleito do PT na Bahia, Everaldo Anunciação, minimizou a declaração do presidente da Assembleia Legislativa (ALBA), deputado Ângelo Coronel (PSD), de que o senador Otto Alencar é seu candidato ao governo do Estado em 2018, quando Rui Costa (PT) tentará se reeleger. Everaldo Anunciação disse que não há receio de rompimento por parte do PSD, tampouco do senador Otto Alencar pessoalmente.

“É uma posição do deputado Ângelo Coronel, e é uma posição legítima. Todos os partidos e seus líderes têm legitimidade de defender seus quadros em eleições. O PSD com certeza tem esse direito. O PT e o governador com certeza respeitam o deputado Ângelo Coronel e suas colocações, mas essa declaração dele não implica em rompimento do PSD com o governador. O PSD faz parte do governo e continua com seu papel importante no projeto que elegeu Rui Costa em 2014”, minimizou Everaldo.

O líder petista ainda ressaltou que o próprio Otto nega veementemente intenção de ser candidato em 2018. “Todos sabem da boa relação de Otto Alencar com Jaques Wagner e Rui Costa. O próprio senador, como presidente do PSD, garante que ele e o partido estão com Rui e estarão com o governador nas eleições do ano que vem”, disse o presidente do PT-BA. Otto foi eleito senador (para um mandato de oito anos) pela chapa de Rui em 2014.

Munido do chamado fogo amigo, Coronel reacendeu o receio de governistas por uma possível candidatura de Otto. Embora tenha dito que respeita a aliança de seu partido com o governador Rui Costa (PT), Coronel defendeu “posicionamentos divergentes” no PSD, e instigou:

“Meu pré-candidato ao governo da Bahia é Otto Alencar. Não é porque eu sou da base de Rui que vou escolher ele. Acho que todo partido tem o direito de, dentro do seu seio, da sua corporação, ter voz divergente. É evidente que se lá na frente o partido achar que deve marchar com o governador Rui Costa, não serei oposição a isso, seguirei o partido”, disse o presidente da Assembleia em entrevista à rádio Metrópole.

Desde o resultado das eleições municipais de 2016 os próprios políticos e especialistas avaliam que Rui e o PT ficaram ‘reféns’ do PSD de Otto Alencar e do PP do vice-governador, João Leão, partidos que fizeram o maior número de prefeitos no interior do estado, respectivamente. Avaliação é de que perdendo um dos dois, Rui teria sua força ameaçada para disputar a reeleição em 2018, além do risco de o possível dissidente iniciar um processo de desembarque de outros partidos da base de sustentação do governo.

Leonardo Attuch

Comentários

comentários

Veja também