Carlos Lima
Hoje dia 20/09/2018 às 19:54:43

Estadual
Carlos Lima | Publicado em 28/08/2018 às 15:48:31

Rui precisa ponderar pecha de soberba

Rui precisa ponderar pecha de soberba Rui deve explicações

O governador Rui Costa (PT) optou por não participar da série de entrevistas realizada pelo Bahia Notícias com os candidatos ao Palácio de Ondina, em 2018.

De acordo com a justificativa oficial, o petista teve problemas para encaixar a entrevista na programação de campanha.

É algo possível. Diante de um estado com 417 municípios, responder a perguntas feitas pelos veículos de comunicação talvez não seja o foco de um candidato franco favorito à reeleição.

Eis que, no entanto, é preciso ponderar que a não participação de Rui em momentos em que a imprensa pode questionar suas propostas e projetos pode ser uma aposta arriscada em uma eleição cuja força das redes sociais ainda não foi integralmente testada.

Em duas semanas, o petista faltou duas entrevistas e também optou por não participar do debate da Rádio Sociedade.

Infelizmente, é impossível não traçar paralelos com a última campanha de reeleição disponível, do prefeito de Salvador, ACM Neto (DEM).

Em 2016, mesmo tendo concentrando todo o favoritismo de estar com a máquina, o gestor da capital baiana participou da maioria das entrevistas e debates realizados pelos veículos de comunicação.

Enquanto ACM Neto consegue ser mais empático com a imprensa – mesmo tendo rompantes pouco educados quando as perguntas desagradam -, Rui Costa prefere não responder quando o assunto não é de seu feitio.

E, ao longo da atual campanha, tal característica parece estar ficando em evidência.

Tal postura deve ser acompanhada de perto pela equipe de campanha.

Além de desgastar o candidato com perguntas não respondidas – no caso do Bahia Notícias, por exemplo, foi a nota mais lida do dia -, Rui perde uma boa oportunidade de ser confrontado com temas que são caros ao governo e que afetam o dia-a-dia da população.

E aqui não é uma questão de supervalorização da imprensa.

É apenas a constatação de que o papel dela na democracia é importante e que, na condição de candidato, o governador poderia se assumir como tal e ficar disponível para rebater críticas e defender o próprio legado.

Durante o debate da Rádio Sociedade, na última semana, sobraram críticas dos adversários à ausência do governador.

Faz parte, inclusive, da estratégia de desconstrução da imagem pública de acessível, mesmo que Rui invista no contato direto com o eleitor, vide as sucessivas estratégias de redes sociais, com o uso de transmissões ao vivo, por exemplo.

No entanto, os concorrentes do petista tentam colar a pecha de soberba que, sem a devida resposta, pode acabar se sobrepondo a qualquer ação positiva realizada pela equipe de marketing.

Como se sabe, excesso de autoconfiança numa campanha eleitoral pode atrapalhar mais do que ajudar.

O entorno de Rui é extremamente profissional e, possivelmente, está medindo milimetricamente as ações durante o processo eleitoral.

Porém não custa ressaltar que a imprensa, ainda que tenha o perfil de ser oposição a quem está no poder, é um mal necessário à democracia.

Este texto integra o comentário desta terça-feira (28) para a RBN Digital, veiculado às 7h e às 12h30, e para as rádios Excelsior, Irecê Líder FM, Clube FM e RB FM.

Comentários

comentários

Veja também