BRT: eficiência só nos gastos/por Carlos Lima

Share on whatsapp
WhatsApp
Share on twitter
Twitter
Share on facebook
Facebook
Share on google
Google+
Share on linkedin
LinkedIn
Share on email
Email
MANIFESTAÇÃO EM FEIRA DE SANTANA. A INSATISFAÇÃO POPULAR AUMENTA

Depois de um atraso de quase três anos para entrega da obra do BRT em Feira de Santana, o “gestor” Cobert Martins anunciou que o sistema deverá entrar em operação, por etapas, no mês de março deste ano.

A coisa é tão incerta que não foi divulgado o cronograma dessas etapas. Já ocorreram tantos anúncios de datas de inauguração que atualmente a descrença é pano de fundo dessa obra já defasada pelo tempo dentro do processo evolutivo do transporte de massa.

O que ocorre com eficiência de padrão de países europeus são os gastos. Estes acontecem com bastante celeridade.

Os gastos, considerados investimento pela prefeitura.

Em junho de 2019 ocorreu a compra de 20 catracas, 73 portas tipo Corpo Completo e automático e a instalação dos equipamentos ficaram na ordem de R$ 5.441.365,00, cobrado pela empresa Wolpac Sistemas e Controle, vencedora do processo de licitação realizado em novembro de 2018.

O BRT que deveria estar funcionando desde 2017, segue como um sumidouro de recurso, sem tempo de finalização e uma ebulição para atender interesses desconhecidos, ou acobertar uma obra dispendiosa que sai do nada e chega a lugar nenhum o que nos leva acreditar, que é completamente inviável para no modal executado.

Uma profunda investigação deveria ser realizada pela Polícia Federal e o Ministério Público, sobre a aplicação dos recursos no BRT.

A sugestão seria a deflagração “Operação Kirkinchu” (Tatu), para investigar em que buraco foi parar os 97 milhões de reais, sendo noventa milhões liberados pelo governo federal e 7 milhões da própria prefeitura.

O mês de março vem aí e as águas vão rolar. Será que na enxurrada os votos também virão?

Não acredito. Seria muito castigo para os feirenses.

Carlos Lima

OUTRAS NOTÍCIAS