Carlos Lima
Hoje dia 18/12/2018 às 10:45:29

Feira
Carlos Lima | Publicado em 06/12/2018 às 09:29:09

O extintor do incêndio do prédio em Feira de Santana estava vencido desde 2013

O extintor do incêndio do prédio em Feira de Santana estava vencido desde 2013 Caixas de energia internas derreteram — Foto: Reprodução/TV Bahia

O corpo de bombeiros encontrou várias situações que aumentaram a gravidade do incêndio que aconteceu no prédio do condomínio Iguatemi, em Feira de Santana, cidade a cerca de 100 quilômetros de Salvador.

Duas pessoas morreram por causa dos ferimentos de queimadura.
Morre 2ª vítima de incêndio em prédio de Feira de Santana; mulher de 50 anos estava no HGE, em Salvador
Mulher morre e nº de feridos sobe para 7 durante incêndio em prédio em Feira de Santana

No edifício, que tem quatro andares e fica no bairro Mangabeira, a sub-tenente Carla Souza localizou extintores vazios e com prazo de validade vencido desde 2013.

“Ele está vencido e, além disso, está sem pressão. Pelo manômentro [instrumento que mede pressão de fluídos], a gente pode observar que ele está no vermelho, totalmente sem pressão”

Com a falta de equipamento para apagar as chamas, os moradores do prédio e vizinhos usaram baldes de água.

“A água é um excelente condutor [de eletricidade], não é adequado para se usar, por causa da energia.

Nesse caso a gente tem a dupla, o de água e o de pó, por causa da parte elétrica”, explicou a sub-tenente.

Além da falta de extintores, duas motos que estavam estacionadas na única saída do prédio também impediram que as vítimas saíssem com mais facilidade.

Elas também acabaram incendiadas.

Uma perícia vai determinar o que causou o incêndio, mas o combustível dos veículos atingidos fez com que o fogo se espalhasse rapidamente, conforme os bombeiros.

Depois do acidente, alguns blocos já colocaram avisos para que as motos não sejam colocadas nas entradas dos prédios.

Os bombeiros apontam também que as grades na janela dos apartamentos, instaladas por questões de segurança, também impedem a saída de pessoas e dificultam o trabalho dos socorristas.

Também segundo os bombeiros, o emocional das vítimas foi um dos fatores que contribuíram para a fatalidade.

“O emocional está totalmente abalado e, no desespero, ela [a vítima] achou que a única salvação dela seria passar pela porta principal, onde tinha o maior foco de incêndio”, disse a sub-tenente Carla Souza.

G1

 

Comentários

comentários

Veja também