Carlos Lima
Hoje dia 23/10/2017 às 11:49:12

Feira
Carlos Lima | Publicado em 02/09/2017 às 13:14:27

Vereador Pablo desconhece o HDPA e vai ao MP para obter informações

Bastava uma conversa com o Provedor

Vereador Pablo desconhece o HDPA e vai ao MP para obter informações HOSPITAL D. PEDRO DE ALCÂNTARA

Em relação ao pronunciamento do vereador Pablo Roberto sobre o Hospital D. Pedro de Alcântara, da Santa Casa de Misericórdia argumentando que ela foge de suas obrigações como instituição com a negação de direitos no município de Feira de Santana.

Ainda acusou algumas pessoas da unidade hospitalar: “não atendem, enganam as pessoas, prometem a A, B e C e não resolvem, mas não é isso que eu estou discutindo aqui”.

Outros questionamentos: Então, o que nós queremos entender lá é por que fechou a maternidade?

Eu quero entender lá por que não atende urgência e emergência como deveria?

Eu quero entender por que só oncologia e cardiologia?

Por que não tem vaga para pacientes do SUS, mas particular tem vaga?

Para responder a essas questões vamos conhecer a instituição Santa Casa de Misericórdia.

No Brasil a Irmandade da Santa Casa de Misericórdia surgiu no período colonial, instalando-se em Santos desde 1.543, logo em seguida veio para a Bahia, Espírito Santo, Rio de Janeiro, Olinda e São Paulo, sendo a primeira instituição hospitalar do país, destinada a atender aos enfermos dos navios dos portos e moradores das cidades, como uma entidade filantrópica.

Nesse período, entretanto, não se pode destacar nenhuma prática na área científica, por que esses saberes só emergiram no país a partir da vinda da Corte portuguesa e da criação das faculdades de Medicina e de Direito.

Outro fato importantíssimo da época foi quando a Santa Casa de Misericórdia do Rio de Janeiro, fundada pelo padre José de Anchieta, socorreu em 25 de março de1.582 os tripulantes da esquadra do almirante Diogo Flores Valdez, que aportada na baía de Guanabara e estava com escorbuto a bordo, por isso mesmo a Santa Casa de Misericórdia responsabilizou-se secularmente pela administração dos cemitérios.

Sendo desconhecimento do nobre vereador, é de bom alvitre informar que em Porto Alegre existe atualmente o chamado Complexo Hospitalar Santa Casa, um conjunto de sete hospitais que atende todas as especialidades médicas para particulares e convênios. Existindo também atendimento pelo Sistema Único de Saúde, através de convênio entre o MEC, a UFCSPA e a Santa Casa de Misericórdia.

Atualmente no Brasil existem 2.500 hospitais da Santa Casa, muitos em situação difícil por atenderam exclusivamente ao SUS.

Quanto aos questionamentos do vereador, vejamos:

A maternidade fechou depois de muitas décadas de funcionamento porque os recursos destinados pelo SUS não atendiam minimamente o seu funcionamento.(não entraremos em detalhes)

As urgências e emergências pelas mesmas razões, inclusive chegou a funcionar por muitos anos, mais os custos eram imensamente superiores aos repasses do Sistema único de Saúde, tornando impraticável a continuação dos serviços.

0 HDPA continua conveniado com o SUS porque atendeu as exigências do Chamamento Público da Secretaria de Saúde e do MS.

O convênio dispõe para o HDPA uma cota de atendimento em algumas especialidades de atendimento na área de saúde.

Essas cotas são limitadas, esgotando-se durante o mês, só no mês seguinte.

Como o HDPA ampliou e reformou suas dependências foram criados leitos para o atendimento privado e outros planos de saúde, os quais proporcionam condições para que o hospital possa continuar atendendo a sociedade de Feira de Santana e Região. (não vamos fazer uma análise analítica dos fatos)

Temos duas importantes e vitais especialidades no HDPA, oncologia e cardiologia, inclusive com cirurgia cardíaca e transplante, além da implantação da Quimioterapia e Radioterapia no tratamento do câncer.

Sua ida ao Ministério Público seria desnecessária se tivesse maiores conhecimentos sobre o funcionamento dos Hospitais das Santas Casas de Misericórdias.

Caríssimo vereador, quanto ao seu sentimento por algumas pessoas daquela unidade de saúde não poder ser maior do que os seus interesses pela cidade.

Eu concordo.

Entretanto a posição da função legislativa de vereador não pode e não é superior a administração das unidades privadas na área de saúde do nosso município e nem deveria ser nas unidades de saúde do sistema público.

Defendemos essa bandeira e parabenizamos a administração do HDPA, FRATERNA, RESPONSÁVEL, HONESTA, EMPREENDEDORA E COMPETENTE.

CLJORNAL

Comentários

comentários

Veja também