Carlos Lima
Hoje dia 15/11/2018 às 02:20:37

Geral
Carlos Lima | Publicado em 03/09/2018 às 16:48:12

CAMPANHA DE LULA E HADDAD MOVE AÇÃO CRIMINAL CONTRA BOLSONARO, INCITAÇÃO ASSASSINATOS

CAMPANHA DE LULA E HADDAD MOVE AÇÃO CRIMINAL CONTRA BOLSONARO, INCITAÇÃO ASSASSINATOS Matar todos petistas do ACRE

O PT reagiu ao fascismo de Jair Bolsonaro, que, neste fim de semana, subiu num palanque, no Acre, e defendeu o fuzilamento de cidadãos brasileiros simpatizantes do Partido dos Trabalhadores, legenda que, segundo o Ibope, tem 29% da preferência nacional.

“O candidato incorreu no crime de injúria eleitoral – quando ocorre a ofensa à honra subjetiva de alguém durante a propaganda eleitoral, ou visando a propaganda -, ameaça e incitação ao crime de homicídio”, diz a nota do PT.

Até agora, a procuradora-geral Raquel Dodge, que tem atropelado prazos para banir a candidatura de Lula, ainda não tomou providências contra o fascismo explícito de Bolsonaro.

A coligação “O povo feliz de novo” (PT/PCdoB/Pros) entrou com representação criminal, junto ao Supremo Tribunal Federal (STF),  contra o deputado federal Jair Bolsonaro, candidato à presidência da república pelo PSL, por ameaça.

A coligação também ingressou com notícia crime pelos crimes de injúria eleitoral e incitação ao crime.

Conforme comprovado por vídeo em ato realizado no Acre, Bolsonaro fez gesto de “fuzilamento” e instou seu público a, em suas próprias palavras,  “fuzilar a petralhada toda aqui do Acre”.

O ódio destilado pelo deputado, em sua campanha da raiva e da truculência, parece não encontrar limites, incitando ao assassinato de cidadãos de esquerda.

O candidato incorreu no crime de injúria eleitoral – quando ocorre a ofensa à honra subjetiva de alguém durante a propaganda eleitoral, ou visando a propaganda -, ameaça e incitação ao crime de homicídio.

Vale notar que Bolsonaro já é réu no STF pelos crimes de racismo e incitação ao estupro.

Basta de ódio. É inadmissível que um candidato a presidente pregue o assassinato de quem não pensa igual a ele.

Comentários

comentários

Veja também