Carlos Lima
Hoje dia 20/09/2018 às 20:44:04

Geral
Carlos Lima | Publicado em 24/08/2018 às 16:17:46

MANIFESTANTES VAIAM MORO EM SALVADOR APÓS LUDIBRIAR JUSTIÇA

MANIFESTANTES VAIAM MORO EM SALVADOR APÓS LUDIBRIAR JUSTIÇA SERGIO MORO VAIADO EM SALVADOR

De nada adiantou a proibição pelo juiz de direito Carlos Cerqueira Júnior, da 6ª Vara Cível e Comercial, de realização de ato pró-Lula no Shopping Barra em Salvador, enquanto por lá estivesse acontecendo evento que contava com a presença de Sérgio Moro entre outras autoridades.

Para não levar multa diária de R$ 100 mil em caso de descumprimento da medida, resolveram mudar o local da manifestação, e foram para a porta do hotel, na noite desta quarta-feira (22), onde se hospedavam os participantes do o III Simpósio Nacional de Combate à Corrupção, o que acabou por ser mais eficiente, de acordo com os manifestantes.

“A manifestação no hotel foi ótima, eles foram pegos de surpresa.

Causamos o maior constrangimento a ele (Moro) e aos demais que estavam lá.

Dissemos tudo que tinha pra ser dito”, revelou.

Além do juiz Sérgio Moro, estavam confirmados para participar do evento agentes da Polícia Federal e o ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Luís Roberto Barroso, dentre outras personalidades são esperados no encontro.

De acordo com informações obtidas pelo jornal Bocão News, de Salvador, o magistrado proibiu “quaisquer tipos de atos de tumulto, vandalismo, violência, agressões ruidosas, lançamentos de objetos, ameaça, protesto, sedição, conturbação, desordem e repúdio violento, interdição de ruas, passagens, trânsito de veículos e tráfego de pessoas, no interior das dependências do shopping, e fora delas, por ocasião do III Simpósio Nacional de Combate à Corrupção, programado para acontecer nos dias 23 e 24 dos correntes mês e ano, sob pena de desobediência à ordem judicial”.

O processo movido na Justiça pelo Condomínio Shopping Barra tem como alvo o movimento Lula Livre, que fez um “trompetaço” há poucos dias em defesa do ex-presidente dentro do centro de compras da capital.

Da redação

Comentários

comentários

Veja também