Boris Johnson quer proibir por lei extensão do período de transição do Brexit

Share on whatsapp
Share on twitter
Share on facebook
Share on google
Share on linkedin
Share on email
(Foto: DYLAN MARTINEZ/REUTERS)

Após a vitória conservadora no Reino Unido nas eleições parlamentares da semana passada, tornou-se inevitável o divórcio dom a União Europeia.

Analistas e fontes europeias advertiram que o prazo de dezembro de 2020 é muito curto para negociar um ambicioso tratado de livre comércio, o que motivou o retorno dos temores de que o Reino Unido abandone a UE no dia 1 de janeiro de 2021 sem um acordo, informa a AFP.

Esta perspectiva provocou nesta terça-feira (17) uma desvalorização da libra esterlina, que às 9h30 (locais, 6h30 de Brasília perdia 1,2%, após as fortes altas registradas em consequência da vitória eleitoral esmagadora de Johnson na quinta-feira (12).

“Na semana passada, os britânicos votaram por um governo que faça o Brexit e permita ao país avançar. E isto é exatamente o que temos a intenção de fazer esta semana”, afirmou a fonte governamental.

O programa eleitoral do Partido Conservador “afirmava claramente que não não ampliaríamos o período de transição”, completou.

Por este motivo, a equipe de Johnson está reescrevendo o projeto de lei que deve traduzir para a legislação britânica o Tratado de Retirada assinado com Bruxelas para “proibir ao governo aceitar qualquer extensão”, destacou.

O primeiro-ministro, que tem agora uma cômoda maioria parlamentar, apresentará o texto ao Parlamento na sexta-feira, mas a aprovação final deve ficar para depois do recesso de fim de ano, a tempo de cumprir com a nova data do Brexit: 31 de janeiro.

O acordo de divórcio prevê um período de transição até 31 de dezembro de 2020 para evitar uma ruptura brutal e caótica para a economia. Durante este período, as duas partes devem negociar sua futura relação comercial.

Caso não consigam alcançar um acordo, o texto prevê a possibilidade de ampliar o período por até dois anos, mas para isto Londres deve apresentar o pedido até 1 de julho.

247

OUTRAS NOTÍCIAS