Carlos Lima
Hoje dia 19/10/2018 às 16:37:16

Internacional
Carlos Lima | Publicado em 24/02/2018 às 10:14:02

A luta na Síria se dividiu em diversas miniguerras.

A luta na Síria se dividiu em diversas miniguerras. UMA GUERRA INTERMINÁVEL

O confronto original entre o governo sírio e aqueles que tentam derrubá-lo tornou-se praticamente irrelevante, com o poder do presidente Bashar Al-Assad reduzido, ainda que ele continue firme no cargo. Enquanto isso, o próprio termo “rebelde” se tornou praticamente obsoleto no contexto do país.

Tempos atrás, isso poderia até ter criado um vazio no poder. Mas, agora, existe uma vertiginosa dispersão de forças competido pelo vasto território que não está sob controle governamental.

Os patrocinadores estrangeiros dessas forças são as principais potências internacionais e têm utilizado desde a diplomacia até a intervenção militar aberta no conflito sírio.

Isso não só aumentou a tensão na região como também faz crescer o risco de um embate entre diferentes potências com interesses distintos na região – ainda que, até agora, toda vez que que os interesses dessas nações estiveram perto de colidir houve um recuo tático nas intervenções em território sírio para evitar a escalada da violência.

Mas, desde domingo, uma onda de bombardeios perto de Damasco já deixou quase 500 mortos, entre eles mais de 100 crianças. Na sexta-feira, o Conselho de Segurança da ONU adiou, por falta de consenso, a votação de uma resolução que apoiava um cessar-fogo de 30 dias na Síria. E há sinais de

Como as potências estão envolvidas?

Rússia e Irã são os países mais envolvidos na disputa síria, tanto financeiramente como também política e militarmente.

Portanto, tiveram os maiores ganhos em termos de poder e influência, mas também foram os países que mais perderam em número de combatentes. Também arcaram com o alto custo econômico de evitar uma derrota do presidente Al-Assad.

Os Estados Unidos se aventuraram menos na região, apesar de terem chamado a atenção ao bombardear em abril do ano passado numa base militar síria. Nunca estiveram completamente comprometidos em apoiar os rebeldes, ainda que já tenham atuado em favor dos grupos que tentam destituir o presidente sírio.

O resultado foi uma queda significativa da habilidade dos EUA de conduzir a situação e a percepção de falta de clareza em seus objetivos, diante da comunidade internacional.

ASSAD

Comentários

comentários

Veja também