Carlos Lima
Hoje dia 21/08/2019 às 09:34:59

Internacional
Carlos Lima | Publicado em 24/02/2019 às 16:57:42

EUA, BRASIL E VENEZUELA E A MENTIRA DA ‘AJUDA’ HUMANITÁRIA

EUA, BRASIL E VENEZUELA E A MENTIRA DA ‘AJUDA’ HUMANITÁRIA TRUMP A PERSONIFICAÇÃO DO MALIGNO

Acho que é muito importante nos atentarmos ao fato de que a ajuda oferecida por figuras deploráveis como Donald Trump, Mike Pence, Mike Pompeo e John Bolton estão recheadas de segundas intenções.

É preciso levar em consideração que caso houvesse uma disposição concreta da oposição venezuelana e dos Estados Unidos em ajudar a população desse sofrido país, esses aceitariam que o transporte dos mantimentos e medicamentos fosse feito por veículos do governo de Caracas ou, até mesmo, desbloqueariam os ativos oriundos da venda de Petróleo da Venezuela que se encontram em contas de bancos internacionais.

Hoje na casa dos 30 bilhões de dólares, esses recursos poderiam ajudar para a estabilização do caos social que essa nação transpassa.

Rússia, China e Cuba estão enviando toneladas de alimentos e remédios para Venezuela, que já estão sendo distribuídos para as regiões mais necessitadas.

O atual governo, o qual possuo duras críticas e considero cometedor de erros primários e gravíssimos, ainda possui a legitimidade conferida por eleições internas para definir os rumos da política de relações exteriores do país.

Essa mesma legitimidade, dada pelo sufrágio, Guaidó detém para exercer a presidência da Assembleia Nacional ,e não à presidência da república.

A partir do parágrafo acima, entro no último tópico do argumento. A conclusão é a de que a “ajuda humanitária” é a grande causa de tensionamento do conflito venezuelano.

Dados os fatores geopolíticos em questão, aquilo que poderia ser um auxílio para uma população carente pode se tornar o estopim para uma guerra civil violenta e sangrenta, o que, posteriormente, desencadearia uma batalha regional atingindo a Colômbia e o Brasil.

Aproveito para fazer um apelo público para que toda a bancada do PDT, e em especial a da juventude representada por Túlio Gadêlha e Tabata Amaral: levem em consideração todas essas questões para que possam, assim, encaminhar para a Câmara Federal um discurso e uma proposta que garantam a solução pacífica desse confronto.

Somos o país do Barão de Mauá, devemos preservar esse nosso histórico diplomático tão bonito.

A situação é delicadíssima e muito complexa. Podemos estar a beira de uma escalada bélica na América Latina. A prudência e a medição são extremante necessárias nesse momento.

Gabriel Cassiano

Comentários

comentários

Veja também