Maior do que ‘ameaça russa’, COVID-19 faz EUA se retirarem de exercício da OTAN na Europa

Maior do que 'ameaça russa', COVID-19 faz EUA se retirarem de exercício da OTAN na Europa© REUTERS / Radu Sigheti

O Pentágono anunciou que reduzirá drasticamente o “tamanho e o escopo” de sua participação no exercício da OTAN intitulado ‘Defender Europe 2020’, parando pouco antes de desistir da atividade muito elogiada que será executada até maio.

Cerca de 20.000 soldados americanos, que deveriam formar a espinha dorsal do maciço treinamento de 37.000 soldados envolvendo forças de 18 Estados membros da OTAN, agora ficarão em casa ou – para os que já se mudaram para a Europa – retornarão aos EUA.

“Em 13 de março, todo movimento de pessoal e equipamento dos EUA para a Europa cessou”, confirmou o Exército dos EUA na Europa em comunicado à imprensa na segunda-feira. “Enquanto fazemos os ajustes apropriados, os exercícios vinculados ao Exercício Defender-Europe 2020 – Frente Dinâmica, Avaliação Conjunta de Combate à Guerra, Ataque Sabre e Resposta Rápida – não serão realizados”, acrescentou.

A mesma nota explicou que as forças já enviadas para a Europa para outros exercícios vinculados retornarão aos Estados Unidos.

O Comando Europeu dos EUA evitou cuidadosamente especificar o número de soldados que participariam do exercício reduzido, dizendo que “muitos detalhes ainda estão sendo trabalhados e discutidos com nossos aliados e parceiros”. No entanto, expressou esperança de que pelo menos “a equipe de combate de brigada blindada já enviada para a Europa realize artilharia e outros eventos de treinamento combinado com os Aliados, como parte de um exercício modificado do Espírito Aliado”.

Em vez disso, o Pentágono enfatizou seu compromisso sem precedentes com “alianças e parcerias” e se vangloriava de 6.000 soldados e 3.000 peças de equipamento que ele já havia transferido para a Europa – embora admitindo que “sejam antecipadas mudanças nos cronogramas de implantação” agora, devido à necessidade abrupta para enviar tudo de volta.

Segundo relatos anteriores, a embarcação Patriot – um navio de carga supostamente entregando equipamento militar dos EUA para a Europa para os exercícios – já mudou de rota e está retornando aos Estados Unidos. Dados de satélite sobre sua posição divulgada pela última vez em 13 de março mostraram que navegava a leste do arquipélago dos Açores e ainda estava a caminho da Bélgica. Dois outros navios envolvidos no transporte de equipamento militar dos EUA como parte da perfuração foram atracados no porto holandês de Vlissingen por um bom tempo – ainda assim, eles não foram descarregados.

Enquanto isso, outras nações também seguiram o exemplo, já que a Alemanha disse que reduziria sua participação em 250 soldados e deixaria de realizar alguns exercícios em abril.

Inicialmente, esperava-se que o Defender Europe fosse o maior exercício da OTAN em 25 anos, com a maior parte dos exercícios programados para abril e maio. O treinamento deveria ter sido realizado em seis estados europeus – Bélgica, Holanda, Alemanha, Polônia, Lituânia, Letônia e Estônia.

O objetivo era praticar o envio de tropas americanas para a Europa, além de impedir uma possível agressão em larga escala. As Forças Armadas e altas autoridades dos EUA na OTAN disseram que as manobras não são direcionadas contra nenhum país em particular. Ainda assim, os exercícios foram criticados por Moscou, que os chamou de provocadores.

O ministro das Relações Exteriores da Rússia, Sergei Lavrov, disse anteriormente que a Rússia não prevê nenhum problema nos países bálticos que exigiria uma solução militar, acrescentando que o exercício mostrou apenas a falta de vontade da OTAN de aliviar as tensões com Moscou.

Sputinik

Share on facebook
Facebook
Share on google
Google+
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

OUTRAS NOTÍCIAS