Carlos Lima
Hoje dia 06/04/2020 às 14:42:24

Internacional
Carlos Lima | Publicado em 28/02/2020 às 14:15:17

Marinha dos EUA põe em quarentena todos os navios recentemente atracados no Pacífico

Marinha dos EUA põe em quarentena todos os navios recentemente atracados no Pacífico © AP Photo / Robert F. Bukaty

Ainda não houve nenhum caso de coronavírus relatado entre o pessoal da Marinha, mas a ordem de quarentena se aplica a todos os navios que atracaram em portos do Pacífico.

A Marinha norte-americana ordenou que todos os navios que tenham feito paradas em países da região do Pacífico sejam colocados em quarentena e permaneçam no mar por 14 dias, como precaução em meio ao surto de coronavírus (COVID-19), informou na sexta-feira (28) a emissora CNN.

A mídia informou, citando orientações emitidas pelo comandante da Frota do Pacífico da Marinha dos EUA, John Aquilino, que esses navios deveriam “permanecer no mar por pelo menos 14 dias antes de atracar em outro porto, a fim de monitorar os marinheiros quanto a quaisquer sintomas do vírus”.

“Por uma questão de muita cautela, a Frota do Pacífico está implementando medidas adicionais para evitar que os marinheiros contraiam a COVID-19 e para monitorar os marinheiros que viajaram para áreas de maior risco”, disse o porta-voz James Adams à CNN.

O porta-voz acrescentou que, até o momento, nenhum pessoal da Marinha tinha mostrado quaisquer sintomas da doença.

A epidemia

Os Centros de Controle e Prevenção de Doenças dos EUA confirmaram 60 casos de coronavírus, com 6 recuperações, em solo americano, a maioria dos quais são de pacientes evacuados de Wuhan na China e do navio de cruzeiro Diamond Princess.

A CNN também relata que na quinta-feira (27) a China impôs igualmente uma autoquarentena de 14 dias pessoas chegadas de países com “situações epidêmicas severas”.

Segundo os números mais recentes, 83.890 pessoas contraíram a COVID-19 em todo o mundo, resultando em 2.872 mortes. No entanto, números recentes indicam que dessas pessoas houve 36.732 que já recuperaram.

Sputnik

Comentários

comentários

Veja também