Carlos Lima
Hoje dia 19/11/2017 às 16:01:40

Internacional
Carlos Lima | Publicado em 11/11/2017 às 10:45:15

Trump:’Putin me disse que não se intrometeu’ na eleição

Trump:’Putin me disse que não se intrometeu’ na eleição Trump e Putin em encontro de líderes da Apec no Vietnã (Foto: Mikhail KLIMENTYEV / SPUTNIK / AFP)

O presidente americano, Donald Trump, disse neste sábado (11) que seu colega russo, Vladimir Putin, garantiu-lhe que “não se intrometeu” na última disputa pela Casa Branca, em 2016, a qual levou o magnata nova-iorquino ao poder.

“Me disse que, de modo algum, se intrometeu nas nossas eleições”, declarou Trump aos jornalistas que o acompanhavam no avião presidencial Air Force One rumo a Hanói. “Realmente, acho que, se ele me disse isso, disse de verdade”, acrescentou.

Durante a eleição presidencial americana em 2016, hackers invadiram os servidores do Partido Democrata e vazaram informações comprometedoras sobre a campanha da adversária de Trump, Hillary Clinton. O FBI investiga a ligação de assessores de Donald Trump com autoridades russas.

Robert Mueller, o procurador especial que busca saber se há ligações entre a equipe do presidente americano e Moscou, já acusou formalmente três assessores de Trump durante as investigações sobre a interferência russa na eleição americana e um suposto conluio entre a campanha de Donald Trump e o Kremlin.

No dia 31 de outubro, o ministro das Relações Exteriores da Rússia, Sergey Lavrov, afirmou que não há nenhuma prova da suposta interferência russa nas eleições presidenciais dos Estados Unidos. Foi a primeira declaração do chanceler russo desde que o procurador especial Robert Mueller divulgou as primeiras acusações formais contra membros da campanha do atual presidente dos EUA, Donald Trump, ao investigar se houve interferência russa na eleição.

Diretores de Facebook, Twitter e Google reconheceram no Senado dos Estados Unidos que o número de contas ligadas a sites de propaganda russos alcançou nas eleições de 2016 um número maior do que tinham antecipado.

Os líderes das três companhias destacaram os esforços de grupos ligados ao Kremlin para influenciar no resultado das eleições de 2016 e dividir a sociedade americana com anúncios e conteúdos polêmicos.

Essas publicações apareciam automaticamente na linha do tempo do Facebook de alguns usuários e chegaram a alcançar 29 milhões de americanos. Uma vez compartilhadas, chegavam a um total de 126 milhões de pessoas. Os conteúdos eram relacionados a questões raciais, religiosas, ao direito ao porte de armas e à orientação sexual e de gênero.

Derrota do Estado Islâmico

Vladimir Putin e Donald Trump confirmaram neste sábado (11) a decisão de derrotar o Estado Islâmico (EI) na Síria, numa declaração conjunta adotada durante a cúpula da Apec (Cooperação Econômica Ásia-Pacífico) em Danang, no Vietnã.

G1

Comentários

comentários

Veja também