Carlos Lima
Hoje dia 20/04/2018 às 12:18:26

Internacional
Carlos Lima | Publicado em 16/02/2018 às 15:32:58

Vigília em memória das vítimas de massacre em escola da Flórida nos EUA

Vigília em memória das  vítimas de massacre em escola da Flórida nos EUA DOR E SOFRIMENTO NA VIGÍLIA DAS 17 VÍTIMAS

Milhares de norte-americanos se reuniram na noite desta quinta-feira (15) em uma vigília em memória dos 17 mortos durante o massacre em uma escola na Flórida, nos Estados Unidos. Diversas pessoas depositaram flores, velas e fotos das vítimas do tiroteio ocorrido na tarde da última quarta-feira (14), quando o ex-aluno Nikolas Cruz, de 19 anos, invadiu a escola de ensino médio Marjory Stoneman Douglas, em Parkland, portando um rifle AR-15 e muita munição.

Durante a homenagem, amigos e familiares se emocionaram ao ouvir o testemunho do pai da menina Jaime Guttenberg, de 14 anos, uma das assassinadas no atentado.

O ataque deixou 17 mortos, sendo três professores e 14 alunos, e diversos feridos. O autor da ação agiu sozinho. As autoridades acreditam que Cruz tenha provocado o disparo do alarme de incêndio para conseguir atingir mais vítimas. Depois de fazer os disparos, o jovem se misturou aos outros alunos e conseguiu deixar o local do crime. Cruz foi preso horas depois, mas antes parou em uma loja para tomar uma bebida e sentou-se no McDonald’s.

Segundo a linha do tempo detalhada à imprensa, o atirador chegou à escola de Uber às 14h19 do horário local. Três minutos mais tarde, carregou seu rifle e começou a disparar. Durante cerca de 15 minutos, ele atirou dentro de cinco salas de aula nos três andares da escola. Logo depois, 14h34 local, ele largou a mochila e a arma no terceiro e último andar e desceu as escadas se misturando à multidão de alunos que estavam em pânico.

Ele teria caminhado por pouco mais de 1 km até uma loja do Walmart, onde comprou uma bebida no Subway. Às 15h, Cruz sentou em um McDonald’s por um período e saiu andando novamente. Ele foi detido apenas 40 minutos mais tarde.

De acordo com a defensoria pública, o ex-aluno está “triste e arrependido”. “Ele está plenamente consciente do que está acontecendo. Ele é apenas um ser humano quebrado”, afirmou Melisa Mcneill, que é sua principal advogada, segundo a CNN.

Cruz passou por uma breve audiência em Broward, onde responde por 17 homicídios premeditados. Segundo a imprensa norte-americana, recentemente, o jovem havia publicado no Instagram diversas fotos em que aparece segurando uma arma de fogo e facas. O xerife Scott Israel disse que o conteúdo era “perturbador”.

Agência ANSA

Comentários

comentários

Veja também