Carlos Lima
Hoje dia 22/07/2018 às 01:18:22

Legislativo
Carlos Lima | Publicado em 10/02/2018 às 12:13:24

MP pede que Geddel seja condenado a sete anos de prisão

MP pede que Geddel seja condenado a sete anos de prisão Ex-ministro é acusado de tentar impedir que Lúcio Funaro fizesse delação premiada Leia mais: https://oglobo.globo.com/brasil/ministerio-publico-pede-que-geddel-seja-condenado-sete-anos-de-prisao-22386352#ixzz56iZRvm9A stest

O Ministério Público Federal em Brasília (MPF-DF) pediu ontem, sexta-feira, que o ex-ministro Geddel Vieira Lima (PMDB) seja condenado a sete anos de prisão. O MPF apresentou as alegações finais da ação penal na qual ele é acusado de embaraço à investigação, por supostamente ter tentado impedir que o operador Lúcio Funaro firmasse um acordo de delação premiada.

Os procuradores da força-tarefa da Operação Greenfield afirmam que ao ligar diversas vezes para Raquel Pitta, esposa de Funaro, Geddel quis mostrar que estava monitorando Funaro, após ele ter sido preso. Em um intervalo de apenas 19 dias, por exemplo, o ex-ministro ligou 17 vezes para Raquel.

“Dessa forma, era incutida em Lúcio Funaro a apreensão e o temor por represálias, para que não colaborasse espontaneamente com as investigações”, afirma o texto.

O crime de obstrução de investigação dá pena de três a oito anos de prisão. Ao pedir uma pena próxima da máxima, o MPF alegou que Geddel ocupou o cargo de ministro durante parte dos eventos.

“O acusado, como ministro de Estado, praticou crime em nome da cúpula política que atuava no próprio governo federal, traindo a confiança do povo brasileiro e ofendendo, por consequência, os titulares do poder soberano que devem ser respeitados no sistema democrático do país”, escreveram.

Na segunda-feira, em depoimento na ação penal, o político negou que tenha tentando impedir a delação, e disse não se recordar exatamente de quantos telefonemas foram feitos. O político afirmou que eram conversas “humanitárias”:

— Era “como vai”, “isso vai passar” — contou o ex-ministro.

Funaro foi preso em julho de 2016, na Operação Sépsis, um desdobramento da Lava-Jato. Foi nesse momento que monitoramento teria começado. Na época, Geddel era ministro da Secretaria de Governo, cargo que ocupou até novembro.

Em julho de 2017, quando já não era mais ministro, Geddel chegou a ser preso preventivamente, após Funaro ter relatado os contatos dele com sua esposa. No mesmo mês, ele foi solto por decisão do Tribunal Regional Federal da 1ª Região (TRF-1), mas voltou a ser detido em setembro, após investigadores encontrarem R$ 51 milhões em um apartamento que seria usado pelo peemedebista.

DANIEL GULLINO

Comentários

comentários

Veja também