Carlos Lima
Hoje dia 21/07/2019 às 17:23:44

Legislativo
Carlos Lima | Publicado em 27/06/2019 às 09:18:49

O primeiro beijo lésbico na tribuna do plenário da Câmara dos Deputados

O primeiro beijo lésbico na tribuna do plenário da Câmara dos Deputados Daniela Mercury beija a esposa na Câmara

A cantora Daniela Mercury protagonizou nesta segunda-feira (24) o primeiro beijo lésbico na tribuna do plenário da Câmara. Durante um ato em comemoração aos 50 anos do marco histórico da luta do movimento LGBT em todo o mundo, Daniela beijou a sua esposa, a jornalista Malu Verçosa, ao receber a palavra da companheira.

No evento, as duas reiteraram o compromisso com a defesa integral de direitos, independentemente de gênero ou orientação sexual. Daniela disse estranhar como a simples mudança de gênero do parceiro representa um divisor de direitos no Brasil.

“Eu era casada com homens e quando me casei com Malu, perdi todos os meus direitos. Vocês entendem a inversão? Que loucura. Como as pessoas não têm seus direitos básicos contemplados? Como, dentro de uma democracia, deixamos isso acontecer?”, questionou.

A cantora baiana defendeu o caráter político das paradas gays. Segundo os organizadores, cerca de 3 milhões de pessoas participaram do ato em São Paulo nesse domingo, o primeiro realizado no governo Bolsonaro.

Daniela também falou do orgulho de ter assumido seu relacionamento e sua orientação sexual: “Sou uma mulher maravilhosa, uma lésbica inteligentíssima, talentosa e de sucesso”. “É certo sim, e eu sou muito feliz”, completou.

A artista ainda fez alusão ao tema da comemoração na Câmara, os 50 anos do chamado “Levante de Stonewall”, que faz referência à invasão policial, em 1969, ao bar de mesmo nome, que era reduto da comunidade homossexual em Nova York.

“Que cada um comece a lutar para quebrar as paredes construídas pela sociedade, principalmente sobre o amor próprio. Nos marginalizaram, e continuam a fazer isso à luz do dia, num país democrático”, discursou. “Vamos continuar a pressionar.”

O motim de Stonewall durou duas noites e é considerado o marco histórico do movimento moderno de libertação gay e da luta pelos direitos LGBT nos Estados Unidos.

E resultou na organização na 1° parada do orgulho LGBT, realizada na cidade americana em 1° de julho de 1970 para lembrar a revolta.

“Precisamos de muitas rebeliões, muitos ‘stonewalls’, esse movimento contínuo na sociedade, para que a democracia se efetive e equalize o direito de todos”, defendeu Daniela.

RP

Comentários

comentários

Veja também