Carlos Lima
Hoje dia 17/09/2019 às 22:37:18

Legislativo
Carlos Lima | Publicado em 24/11/2015 às 16:15:59

O VEREADOR BELDES DENUNCIA PROVÁVEL ATO DE IMPROBIDADE ADMINBISTRATIVA NO MUNICÍPIO

O VEREADOR BELDES DENUNCIA PROVÁVEL  ATO DE IMPROBIDADE ADMINBISTRATIVA NO MUNICÍPIO VEREADOR BELDES RAMOS

O vereador oposicionista Beldes Ramos (PT) usou a tribuna na manhã desta terça-feira (24), na Casa da Cidadania, para fazer uma denúncia contra o Município.

Segundo ele, o senhor Marinaldo Carvalho da Silva exerce o cargo de agente distrital no Município e paralelo a isto ocupa outros cargos.

Ao usar a Tribuna da Casa o vereador rebateu críticas feitas aos vereadores de oposição pelo prefeito José Ronaldo de Carvalho e pelo ex-deputado Colbert Martins.

“Quero solicitar cópia das atas para que sejam entregues ao prefeito e ao ex-deputado, pois disseram que a oposição votou contra todos os projetos de lei que firmavam contrato de comodato com as associações, mas votamos favoráveis aos projetos que beneficiaram as associações Água é Vida e Clube de Mães”, disse o edil.

Apesar de votar favorável a alguns projetos do Governo Municipal, o petista afirmou que, nesta terça-feira, não votaria a favor do projeto nº 158/15, que autoriza o Poder Executivo firmar contrato de comodato com a Associação Comunitária Rural Sítio do Meio, pois recebeu denúncia anônima de que o presidente dela, Marinaldo Carvalho da Silva, exerce mais de uma função no Município, o que é ilegal.

“Não votarei até que sejam esclarecidas se esta denúncia tem veracidade ou não. Se este senhor assume mais de um cargo no Município é crime. Pelo que recebi, ele além de ser agente distrital em Jaguara, é presidente desta Associação por vários anos consecutivos, vai ser indicado para tomar conta de uma escola recém-construída no distrito e ainda é responsável pelo transporte escolar da localidade. É dever do poder público fazer esta apuração, porque são crimes graves e, se não for verídica, deve ser desmentida aqui”, pontuou.

O líder do Governo na Casa, vereador José Carneiro Rocha (PSL), explicou o objetivo do contrato em comodato e pediu que o colega não fizesse denúncias anônimas.

“Denúncias anônimas não se faz, pois não podemos nos apegar a elas. É preciso haver identificação para lá na frente não causar constrangimentos. Se fosse eu não faria. Pediremos adiamento deste projeto para analisar se há qualquer indício de veracidade nesta denúncia. Certamente, o Governo não irá aprovar algo que leva transtorno à sociedade”, garantiu.

O vereador oposicionista, Edvaldo Lima (PP), avaliou que a denúncia é grave. “Se for comprovado, será o segundo caso de improbidade administrativa praticada por esse gestor, que age com desrespeito e imoralidade com a população”, finalizou.

ASCOM/CLJORNAL

Comentários

comentários

Veja também