Carlos Lima
Hoje dia 22/10/2018 às 11:37:25

Literatura
Carlos Lima | Publicado em 30/04/2018 às 13:18:10

Nobel da Literatura: mais uma renúncia na Academia Sueca

Nobel da Literatura: mais uma renúncia na Academia Sueca Sara Stridsberg se junta a outros sete membros da Academia Sueca que também deixaram seus cargos, após um escândalo de abusos sexuais e vazamento de informação. Foto: HENRIK MONTGOMERY

escritora Sara Stridsberg renunciou nesta segunda-feira (30), ao lugar de membro da Academia Sueca, piorando o clima de crise na prestigiada instituição cultural que atribui o Nobel da Literatura.

Num curto comunicado, a instituição revelou que Sara Stridsberg pediu na última sexta para “renunciar às suas obrigações enquanto membro” da academia para a qual foi eleita em 2016.

Sara Stridsberg se junta a outros sete membros da Academia Sueca que também deixaram seus cargos, após um escândalo de abusos sexuais e vazamento de informação.

O escândalo estourou em novembro, quando o jornal Dagens Nyheter publicou a denúncia anônima de 18 mulheres, sobre abusos e agressões sexuais, contra o dramaturgo Jean-Claude Arnault, ligado à academia através do seu clube literário e marido de um dos seus membros, Katarina Frostenson.

A academia cortou todas as ligações com Arnault e encomendou uma auditoria independente sobre as suas relações com a instituição- Divergências internas quanto às medidas adotadas desencadearam demissões, acusações e saídas de vários membros, entre os quais a secretária permanente em exercício, Sara Danius, e Katarina Frostenson.

Até agora, as renúncias são simbólicas, porque a pertença à academia é vitalícia e só são eleitos novos membros quando vaga alguma cadeira por morte do respectivo ocupante.

No passado dia 25, o presidente da Fundação Nobel, Carl-Henrik Heldin, admitiu à televisão pública sueca SVT, que a Academia Sueca poderia não atribuir este ano o prêmio Nobel da Literatura.

A Academia Sueca foi fundada em 1786 pelo rei Gustavo III e atribuiu pela primeira vez o Nobel da Literatura em 1901, ao poeta francês Sully Prudhomme.

Lusa

Comentários

comentários

Veja também